Educação

Foto: Manoel Lima

Foi aberto nesta segunda-feira, 4, o período de inscrições para os professores e alunos que desejam participar da III Olimpíada Tocantinense de Química (OTQ 2014). O objetivo da competição é fomentar os estudos na disciplina, além de descobrir novos talentos no Brasil. Os estudantes classificados nessa fase, além de receber medalhas, poderão participar da etapa Norte/Nordeste e da Olimpíada Brasileira de Química.

O primeiro passo para participar da Olimpíada de Química, conforme a organização, é o cadastro da escola, o que poderá ser feito por um representante seja diretor, coordenador ou professor, através do link http://tocantins.obquimica.org/. O cadastro da escola poderá ser feito no período de 4 a 31 de agosto.

Em seguida, cada escola enviará o nome dos 10 alunos que participarão das provas por modalidade para o e-mail olimpiadaquimica.to@gmail.com. As modalidades são três: A, B e C, seguindo a série do Ensino Médio que os alunos estão matriculados.

A primeira prova será realizada na própria instituição escolar, no período de 9 a 17 de setembro, durante as aulas de Química. A segunda fase consistirá em uma prova escrita aplicada simultaneamente nos polos, no dia 18 de outubro.

Como premiação, serão concedidas aos alunos, três medalhas de ouro, cinco de prata e sete de bronze.

Experiência de escola

Uma das escolas que participou na olimpíada no ano passado e que este ano irá se inscrever novamente, é a Escola Estadual Rezende de Almeida, localizada em Itapiratins. A gestora da escola, Eva da Silva Azevedo explicou que incentiva os professores e alunos a participarem de olimpíadas como forma de incrementar o conhecimento em áreas diversificadas. “Percebermos que estes eventos trazem muitos benefícios para a escola. Há empolgação, se trabalha a autoestima dos alunos e eles acabam estudando mais motivados pela vontade de vencer”, frisou.

A Escola Rezende de Almeida foi destaque em olimpíadas como a de História Brasileira, e teve menção honrosa na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas, além de alcançar premiação em concursos de redação. “Quando os nossos alunos perceberam que alguns deles estavam se destacando outros também começaram a participar e aí a escola passou a ter uma maior mobilização pela aprendizagem”, disse a gestora.

A diretora de Desenvolvimento da Educação da Secretaria da Educação e Cultura, professora Malu Macedo, frisou que é importante a participação da escola na olimpíada. “É um norteador da prática pedagógica na sala de aula, geralmente com novos materiais para discussão e estudo. E é uma forma do gestor escolar saber com está o nível de aprendizagem dos alunos”, afirmou Maria de Lurdes.

Programa nacional

A Olimpíada Tocantinense de Química faz parte do Programa Nacional de Olimpíadas de Química, realizado pela Associação Brasileira de Química com apoio do Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) e do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico). No Tocantins, o certame será realizado pelo Curso de Química do Campus de Araguaína, da Universidade Federal do Tocantins.