Polí­tica

Foto: Divulgação Cartaz que teria sido rasgado pela PM com a frase: a cidade é pequena mas o povo não é burro Cartaz que teria sido rasgado pela PM com a frase: a cidade é pequena mas o povo não é burro

Coordenadores de campanha e assessores do candidato Marcelo Miranda (PMDB) estão sendo acusados de agrediram militantes da União da Juventude Socialista (UJS) durante um comício da coligação marcelista na noite da última sexta-feira, 26 em Araguatins, na região do Bico do Papagaio, norte do Estado. Segundo André Barros, diretor estadual da UJS, os estudantes preparavam um grito de guerra contra a corrupção quando foram bruscamente impedidos de permanecerem na Praça Pública onde estava sendo feito o evento. A Polícia Militar, segundo o diretor, também agiu com truculência e sob acusações de violação da ordem conduziu dois dirigentes da UJS para a delegacia da cidade onde os mesmos foram ouvidos e liberados.

A palavra de ordem da manifestação era "A nossa intensão, é uma vaia pra corrupção". Segundo André, a equipe de campanha marcelista achou ofensivo e resolveu agir por conta própria contra os cerca de 15 jovens que entoavam o grito. Iniciada a confusão a PM teria apoiado a equipe da campanha de Marcelo Miranda, segundo os integrantes da UJS e também teria, segundo os manifestantes usado de força desnecessária, junto com os assessores políticos, acusando os manifestantes de estarem servindo ao candidato governista Sandoval Cardoso (SD). Segundo os manifestantes, a PM e membros da coligação do peemedebista deram empurrões e socos até em que não estava no protesto. 

Segundo os integrantes da UJS, depois da truculência a Polícia Civil também não teria registrado o caso oficialmente para não prejudicar os dois candidatos ao Governo do Estado.

Segundo a direção da UJS-TO e o PCdoB-TO o grupo se sente no dever de registrar "esta afronta ao Estado Democrático de Direito e lembrar aos postulantes ao Governo que respeito a voz do cidadão, mesmo que jovem, é uma obrigação dos mandatários, inclusive em épocas de eleições. Esperamos que estas e outras agressões ao povo não se repitam, independentemente de quem seja eleito e que os assessores marcelistas não se comportem como os velhos bate-paus do Siqueira, tão conhecidos e temidos a alguns anos atrás. A livre manifestação de pensamento é direito resguardado em Lei, a Constituição, que não restringe os lugares e épocas onde ele pode ser exercida", salienta em nota.

Coligação A Experiência Faz a Mudança

O Conexão Tocantins entrou em contato com a assessoria de imprensa do candidato ao Governo do Estado, Marcelo Miranda (PMDB) pela coligação "A Experiência Faz a Mudança" a qual passou a informação de que só se manifestará com inquérito policial. De acordo com a assessoria, acontece muitas acusações "infundadas" em época de campanha.

Polícia Militar

O Conexão Tocantins também entrou em contato com o Comando da Polícia Militar de Araguatins a qual passou a informação através do capitão Marcio Cardoso Almeida de que desconhece a denúncia apresentada. 

Polícia de Augustinópolis

A Central de Flagrantes de Augustinópolis é a responsável por atender as ocorrências de Araguatins após as 18 horas. Segundo o Delegado responsável, Élio, não houve nenhuma ocorrência no referido dia na cidade de Araguatins. O mesmo também informou desconhecer a denúncia.