Economia

Resistir a um impulso para não fazer mais uma conta é fundamental para quem quer economizar. Em Palmas, essa dica dada por muitos especialistas está sendo levada a sério segundo a pesquisa que mede o endividamento e a inadimplência dos consumidores de Palmas (PEIC). Em outubro, 77,1% dos entrevistados expuseram que tem dívidas, uma queda de 2,4% quando comparado ao mês de setembro, mas semelhante ao percentual registrado no mesmo período do ano passado.

Desse total de endividados na Capital, 9,8% afirmaram ser inadimplentes, ou seja, terem dívidas em atrasos e apenas 0,1% disse não ter condições de pagar essas contas atrasadas. 40,8% das pessoas entrevistadas disseram que seus atrasos são de até 30 dias, influenciando assim para uma média de 47,5 dias de atraso nas contas.

O presidente do Sistema Fecomércio Tocantins, Itelvino Pisoni, ressalta que o atraso nas contas é ruim para os empresários. “Nós empresários do setor de comércio e de serviços, fazemos um planejamento com base no valor a receber para uma série de gastos, como pagamento de funcionários e duplicadas, compra de produtos para estoque e assim por diante, caso a parcela de pessoas que atrasam para pagar suas contas aumente, o dia a dia do empresário pode sair prejudicado, por isso ele deve estar atento”, explicou.

A grande maioria (74,4%) considera-se pouco endividado. O tempo médio de comprometimento com essas dívidas é de 8,6 meses e 71,8% responderam que comprometem de 11 a 50% de sua renda familiar com dívidas, totalizando um comprometimento médio de 32,6%. O ranking permanece com o cartão de crédito liderando com 72,7%, seguido de carnês, com 30,4%, e o financiamento de carro, com 29,2%. (Ascom Fecomércio)

Por: Redação

Tags: Fecomércio, Itelvino Pisoni