Polí­cia

Foto: Imagem ilustrativa/ Da Web

Segundo informações repassadas ao Conexão Tocantins pela Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP), 351 pessoas foram cadastradas como desaparecidas no ano passado no Tocantins. Do montante de desaparecidos, 180 foram de homens e 171 de mulheres. 193 já foram localizadas mas a família de outras 158 pessoas ausentes ainda aguardam respostas. A fonte da estatística criminal é a SSP, a Coordenadoria de Estatística e Análise e as Unidades Policiais do Tocantins.

Dos 180 homens registrados como desaparecidos no ano passado, 50 ficam entre 0 a 17 anos de idade, 109 ficam entre os 18 a 64 anos, 6 homens com idades de 65 anos ou mais e 15 tiveram a idade ignorada. Das 171 mulheres desaparecidas, 91 tinham idades de 0 a 17, outras 76 de 18 a 64 anos de idade e 4 tiveram a idade ignorada.  

Palmas

Dos 351 desaparecimentos, 115 foram contabilizados na Capital, Palmas. 61 foram de mulheres e 54 de homens. 22 pessoas do sexo masculino desaparecidas tinham idades de 0 a 17 anos, outros 29 de 18 a 64 e 3 tiveram a idade ignorada. 34 mulheres desaparecidas foram com idade de 0 a 17 anos, 26 entre 18 a 64 anos de idade e 1 não teve a idade informada. Na capital, dos 115 desaparecidos, 71 já foram localizados e 44 continuam sem paradeiro. 

Segundo a SSP informou ao Conexão Tocantins, os dados informados referentes ao ano de 2014 não estão 100% contabilizados. De acordo com a Secretaria, os meses de julho, agosto, setembro, outubro e novembro estão contabilizados da seguinte forma: 99,48%; 97, 94%; 99,48%; 98,45% e 83,51% respectivamente. 

Ainda segundo a SSP, a maior causa de desaparecimentos é em decorrência de desentendimento e conflito familiar.

Registro de Boletim de Ocorrência 

Quando um familiar, um conhecido ou outro ficar ausente por um tempo considerável em que cause preocupação, a orientação é que se registre imediatamente o boletim de ocorrência em uma delegacia de Polícia Civil. Não é necessário esperar 24 horas para registrar o boletim de ocorrência. Lembre-se de que as primeiras horas que sucedem o desaparecimento são vitais para garantir a localização e proteção do desaparecido. Por lei, logo que a família faz o registro do desaparecimento na delegacia, a polícia deve notificar rodoviárias, aeroportos e fazer uma busca.

Assim que o ausente for encontrado não sendo por via das autoridades competentes, a família ou outro deve informar a Polícia para que a investigação de busca seja cessada.