Campo

Foto: Joatan Silva

Mais de 17 mil matrizes bovinas já foram inseminadas pelo projeto de melhoramento genético desenvolvido pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Desenvolvimento da Agricultura e Pecuária (Seagro). Em 2015 o projeto completa dez anos de existência com 63 municípios contemplados e 798 produtores atendidos, e a meta para é de realizar cinco mil inseminações em 250 propriedades. 

O programa adota a tecnologia de Inseminação Artificial de Tempo de Fixo (IATF), uma importante ferramenta de reprodução, baseada na sincronização da ovulação das vacas, o que permite que um grupo grande de animais seja inseminado no mesmo dia. Desta forma a prenhez é antecipada, o que reduz o intervalo entre partos e aumenta o número total de bezerros nascidos, acelera o melhoramento genético pela utilização de sêmem de produtores geneticamente superiores entre outras vantagens.

De acordo com a médica veterinária, Érika Jardim, o programa é desenvolvido em parceria com o Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins) que colabora com a seleção de pequenos produtores que atendem aos critérios estabelecidos pelo programa. “As condições do rebanho e do curral são avaliadas, também é necessário que todas as vacinas e controle de doenças estejam em dia, além da comprovação do produtor de que tem condições para suplementar adequadamente o rebanho”, explica a veterinária.

A contrapartida do criador é a aquisição do sêmen a ser utilizado e o exame de brucelose. “O pecuarista tem liberdade de escolher o sêmen de acordo com seus próprios critérios e condições”, reforça Érika.  

Benefícios para o produtor

Uma empresa terceirizada por meio de licitação realiza as IATFs nos municípios com a utilização de um laboratório móvel. O índice de nascimento é de 47%, considerado alto pelos padrões da pecuária nacional. “Este alcance na inseminação é bastante satisfatório e reflete o empenho da Seagro neste projeto que tem muitas vantagens para o produtor, como o nascimento e o desmame em épocas mais favoráveis ao bezerro. Bem como, inseminar as vacas sem a necessidade de observar cios e com data marcada, diminuição do intervalo de gerações e o aumento na produção de leite”, completa o zootecnista, Alan Oliveira. (Ascom Seagro)