Palmas

Foto: Divulgação

A falta de vacinas na rede pública de saúde preocupa os moradores da capital. Vários palmenses tem entrado em contato com o Site Conexão Tocantins e ainda se manifestado nas redes sociais com relação à falta de algumas vacinas principalmente a BCG que previne a tuberculose em recém-nascidos.

“Estou indignado com a falta de vacina de febre amarela nos postos de saúde, a vacina no meu filho está atrasada há mais de 30 dias e não consigo vacinar, estive no posto de saúde da aureny II hoje á tarde, la tem a vacina, mas somente na sexta feira que tem vacinação contra febre amarela e sexta agora e ferido. eu acho um descaso não ter esse tipo de vacina disponível”, chegou a indagar um morador de Palmas diretamente ao prefeito Carlos Amastha.

Amastha respondeu à indagação do morador e disse que cabe ao Ministério da Saúde distribuir as vacinas. “Lamentável o que esta acontecendo com as vacinas.Como você deve saber o Estado e o município recebem as vacinas do ministério.E já são vários meses sofrendo atrasos injustificados”, disse ao garantir ainda que na rede municipal não falta nada da responsabilidade da gestão. “Não podemos adquirir vacinas de terceiros.Uma pena,temos trabalhado muito para ser uma rede de excelência”, completou o prefeito.

Outra moradora da capital e professora da rede estadual também afirmou que não conseguiu vacinar a filha recém-nascida. “Atenção meus amigos de palmas!!! Nos postos de saúde está em falta a vacina BCG, alguém sabe me informar de algum lugar que aplique particular, a gente pagando pela vacina????”, pediu através da rede social.

Atrasos

Os atrasos na distribuição das vacinas começou no início deste ano. Conforme o Ministério da Saúde divulgou, os laboratórios que produzem seis das 27 vacinas oferecidas ao SUS realizaram recentemente reformas “para reforçar a qualidade dos produtos”. O procedimento causou a demora do repasse. Por causa disso, o cronograma de distribuição das vacinas foi readequado. A previsão é normalizar o repasse até abril.

Por: Redação

Tags: BCG, Carlos Amastha, Ministério da Saúde