Polí­tica

Foto: Divulgação

Membros da Câmara Temática do Conselho municipal de transporte de Palmas reuniram-se para começar a analisar as propostas para o reajuste na tarifa. Conforme o Conexão Tocantins adiantou a proposta da Prefeitura de Palmas é de R$ 3,12 e do Sindicato das Empresas de Transporte Urbano (SETURB) de R$ 3,17. O reajuste ainda está em ampla discussão por parte de representantes de vários órgãos e deve ser definido em maio. Não há definição ainda se haverá aumento para o usuário ou se a Prefeitura de Palmas conseguirá subsidiar a tarifa.

O vereador José do Lago Folha Filho (PTN) é o representante da Câmara no Conselho e participou da reunião. Em entrevista ao Conexão Tocantins nesta quinta-feira, 23, ele informou que está estudando todos os dados apresentados. “O Conselho não vai discutir só a tarifa mas vários itens. Analisando a planilha apresentada pelo Seturb e pela prefeitura observei que os insumos precisam ser analisados e estudados. Acredito que o prefeito, sensível como é, vai procurar que o usuário pague um preço compatível”, disse.

A prefeitura atualmente subsidia o aumento que houve nos anos anteriores na tarifa e ele não foi repassado para os usuários, tanto que a tarifa remuneratória é R$ 2,80 e a tarifa social, a que é paga por cerca de 50 mil usuários do transporte, é de R$ 2,50. O vereador disse que o dinheiro arrecadado com o estacionamento rotativo no centro da capital vai ajudar a subsidiar o preço da nova tarifa e ainda que a prefeitura deverá retirar recursos de outras áreas para bancar o sistema. “É preciso uma análise consciente e bem calculada pensando no usuário para criar condições que não pese tanto no bolso de quem anda de ônibus”, afirmou.

Folha elencou quatro pontos que segundo ele impactam no aumento inevitável da tarifa. Um deles é que 62 novos ônibus serão colocados em circulação e 31 deles já estão nas ruas com ar condicionado e acessibilidade o que representa 22 mil km a mais na rota.

O aumento na taxa do INSS que passará de 2 para 4,5% será também um grande impacto. “É um fator que está pesando muito, hoje são 4,5% o que dobrou e trouxe um impacto considerável”, disse, ao citar ainda como outro fator, o aumento do salário dos motoristas do transporte coletivo.

Outro aspecto considerável é que a capital custeia as linhas que vão para os distritos Luzimangues e São Francisco, ambos pertencentes ao município de Porto Nacional. “Palmas transporta esses moradores e a Prefeitura de Porto Nacional não contribui com nada. O impacto é de R$ 50 mil por mês. Não podemos penalizar o usuário mas buscar politicamente que Porto possa ajudar”, disse.

Em entrevista ao Conexão Tocantins o presidente do Seturb, José Antônio dos Santos Junior, o Toninho da Miracema, afirmou que o aumento é inevitável em razão de todos os reajustes que aconteceram principalmente do combustível, que segundo ele, é um dos que mais pesa. “Tivemos reajuste de combustível que subiu um absurdo teve até greve dos caminhoneiros e tudo automaticamente aumentou como o preço dos pneus, peças e tudo além disso temos o reajuste do salário dos funcionários no mês de maio e o aumento da frota”, afirmou. Ele disse ainda que atualmente são 220 ônibus no transporte coletivo com previsão de aumento da frota para desafogar nos horários de pico e deixou claro que a definição depende exclusivamente do conselho.

O Governo do Estado isentou as empresas de transporte coletivo do ICMS do combustível e a Prefeitura abriu mão do ISSQN. Conforme os dados do Seturb o impacto do benefício do Estado é de 0,12 centavos na tarifa e da isenção do ISSQN é de 0,06 centavos. Além disto, atualmente  a prefeitura subsidia 0,12 centavos.

Além de ouvir o conselheiro e o presidente do Seturb o Conexão Tocantins ligou para ouvir o secretário municipal de Transporte e Mobilidade da capital, Cristian Zini, mas ele não quis falar sobre o assunto. 

Tarifa das mais caras do País

O reajuste que o Seturb quer é de 26% e o da proposta da Prefeitura de Palmas é de 24% e comparando com as principais capitais do País que tiveram aumento este ano Palmas pode ter uma das tarifas mais caras do Brasil proporcionalmente ficando na frente inclusive de Florianópolis, com tarifa de R$ 2,90, Goiânia, R$ 2,80, e até de Salvador onde a tarifa é R$ 3,00.

Aprovada qualquer uma das propostas, tanto a da Prefeitura de Palmas como a do Seturb, a tarifa será maior ainda do que a de Curitiba que tem uma tarifa de R$ 2,85, a de Aracaju, de R$ 2,70, a de Belo Horizonte, R$ 3,10, e ainda de Manaus e Porto Velho com tarifa de R$ 2,75 e ainda Porto Alegre de R$ 2,95.

Em todo o País dentre as capitais apenas São Paulo, Rio de Janeiro e Campo Grande aumentaram a tarifa mais de 10% sendo 16,6%, 13,3% e 11,1%, respectivamente.