Polí­tica

Foto: Divulgação

No próximo dia 20 de maio, Palmas completa 26 anos de criação e instalação e o vereador professor Júnior Geo, em seu primeiro mandato, defende o desenvolvimento de ações continuas e permanentes para a cidade. “Os gestores precisam começar a fazer planejamentos de gestão, definir atividades por área a longo prazo que contemplem o desenvolvimento econômico e social da capital, e não apenas estratégias políticas com a formatação de ações imediatistas para se reelegerem ou fazerem seus sucessores”, opina.

O parlamentar, que é professor da disciplina de geografia e permanece ministrando suas aulas na rede pública e privada, disse que a área da educação avançou bastante na gestão municipal anterior, mas, segundo ele, a atual gestão ainda não conseguiu estruturar a área da forma que o setor exige. “Não foram aplicados os investimentos necessários na estrutura mobiliária de algumas escolas e nem no melhoramento do seu conteúdo pedagógico”, considera.

“A população foi penalizada com uma sobrecarga de impostos, a exemplo do  Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU), Imposto Sobre Serviços (ISS) e Imposto sobre Transmissão de Bens Inter Vivos (ITBI). E qual foi o retorno da população?," indagou Geo.

Para ele, a sociedade está mais esclarecida e aos poucos percebe que a limpeza, a iluminação, a recuperação asfáltica, a manutenção dos postos de saúde e das escolas é dever do poder público. “Tudo custeado com o dinheiro dos impostos pagos pelo cidadão palmense. A questão é saber se está havendo transparência e licitude na aplicação desses recursos que devem ser fiscalizados por nós, vereadores, e pela população”, cobrou.

“A gestão não pode manipular um processo de licitação para limpeza urbana e escolher uma empresa que oferece um valor maior para prestar o serviço, contratar uma OSCIP por mais de R$ 51 milhões sem licitação, direcionar o processo licitatório do estacionamento rotativo, contratar o show do Patati Patata por mais de R$ 400 mil enquanto o valor orçado era de R$ 50 mil, pagar mais de R$ 22 milhões anuais pela locação de veículos e muitos outros fatos que não posso ficar omisso e não compactuo. Devemos nos conscientizar de que o dinheiro é público. Na iniciativa privada podemos comprar conforme nossa conveniência, mas na pública existe uma legislação a cumprir que não deve ser burlada”, defende o vereador. 

Atuação

Ao longo dos 26 anos de Palmas, a capital mais nova do País já foi administrada por seis gestores, ou seja, teve seis prefeitos diferentes.  A seu tempo, cada um deixou a sua contribuição para o desenvolvimento da cidade, algumas benéficas, outras nem tanto. O vereador Júnior Geo também está trabalhando e buscando oferecer o seu melhor para Palmas e seus habitantes.

O parlamentar já conseguiu aprovar vários requerimentos e projetos de leis na Câmara Municipal, a exemplo do pedido de alteração da lei nº 842/1999, que dispõe sobre a criação e funcionamento do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa de Palmas, a inclusão do estudo de Língua Brasileira de Sinais (Libras) nas escolas da rede pública da capital e a relação contendo a identificação de todos os contribuintes beneficiados com a isenção do IPTU em 2014, já que no ano de 2013, 6.062 pessoas foram contempladas, e no ano passado o benefício foi ampliado para 20.700 contribuintes.

Além disso, articulou junto aos pares a aprovação do projeto de lei que alterou o uso do solo para multifamiliar dos imóveis doados ao Instituto Nossa Senhora de Lourdes, permitindo a ampliação do Centro Integrado de Reabilitação, propôs a lei que isenta o professor municipal de repor aulas quando estiver afastado para tratamento médico, e a que dispõe sobre a obrigatoriedade de informações nas placas de obras públicas, dentre outros projetos.

Por: Redação

Tags: Atividade Parlamentar, Júnior Geo