Polí­tica

Foto: Divulgação

Deputados do grupo parlamentar Brasil - Países Árabes acabam de retornar de uma visita ao Reino do Marrocos, onde se reuniram com os presidentes da Câmara e do Senado locais e com o primeiro-ministro do país, Abdelillah Benkirane, entre outros ministros. Devido às empresas brasileiras serem conhecidas mundialmente na exploração de gás e petróleo naturais, o ministro expressou a vontade ampliar a cooperação técnica entre os dois países nestas áreas de conhecimento.

Visando estimular a indústria do Tocantins e da região norte, César Halum (PRB-TO) sugeriu ao ministro que colocasse uma base de distribuição de fosfato no Tocantins."90% deste minério é importado pelo Brasil para consumo, sendo que 54% desta importação provêm do Reino do Marrocos”, explicou.

Para Halum, que deve ser o próximo presidente do grupo parlamentar Brasil - Países Árabes, nada mais natural do que o Brasil estreitar relações culturais e comerciais com esses países. “É preciso aproveitar a ligação de sangue que nós temos: há 14 milhões de descendentes árabes no Brasil, sendo 9 milhões de libaneses. A nossa Câmara tem praticamente 10% de parlamentares de origem árabe; o vice-presidente da República, Michel Temer, também é filho de libanês, de descendência árabe. Então, nós podemos ter uma ligação também comercial com esses países”, ressaltou.

O grupo de deputados esteve no Marrocos a convite dos parlamentares daquele país sem ônus para a Câmara dos Deputados e já e planejam fazer mais visitas diplomáticas a outras nações do mundo árabe.