Polí­tica

Foto: Divulgação

O deputado estadual Carlos Gaguim (PMDB) participou na última quinta-feira, 19, do lançamento da Frente Parlamentar Mista para a ampliação dos cursos de medicina e relatou sua expectativa a respeito do tema: “estamos batalhando para aumentar o número de universidades e faculdades que ofereçam graduação em medicina, aumentar o número de vagas nas graduações existentes e, também, fiscalizar a qualidade dos cursos de medicina pelo Brasil”, disse.

A frente visa garantir e aumentar o acesso à saúde para todos os brasileiros tendo como meta a expansão dos cursos de medicina em todo o País, já que, no Brasil, de acordo com o Instituto de Pesquisa Aplicadas (IPEA), mais de 58% das pessoas afirmam que a falta de médicos é o principal problema do Sistema Único de Saúde (SUS). 

Gaguim já havia protocolado no dia 27 de maio de 2015 o requerimento de indicação nº 491, que solicitava ao Ministro da Saúde a criação de cursos de medicina nas capitais do Brasil, principalmente em Palmas, já que os programas desenvolvidos atualmente pelo Ministério da Saúde não contemplam diversas capitais do País. Isso ocorre por que as iniciativas buscam possibilitar o acesso aos cursos de medicina nas regiões do interior em cidades com mais de 70 mil habitantes.

Palmas

A capital Palmas, por exemplo, somente possui um curso de medicina na Universidade Federal de Tocantins (UFT) e com esse critério o Tocantins ficou prejudicado, já que não possui muitos municípios acima de 70 mil habitantes, logo o Estado ficou sem cursos de medicina em regiões interioranas, e sem ampliação na capital.

O deputado Gaguim vislumbrou essa lacuna e em seu requerimento sugeriu ao ministro a abertura de novos cursos de medicina em Palmas “irá suprir a falta de médicos não só para a capital, como para todo o Estado”, disse.

Na próxima semana o peemedebista tem reunião agendada com o ministro da Saúde, Marcelo Castro, para debater sobre o tema na tentativa de alcançar uma solução viável para que o Estado de Tocantins não continue sendo prejudicado pelo critério adotado pelo ministério.