Educação

Foto: Adilvan Nogueira

Discutir a implantação da educação quilombola no início de 2016 foi o tema de uma reunião realizada na manhã desta segunda-feira, 21, entre o secretário da Educação, Adão Francisco de Oliveira; Felipe Carvalho, diretor de Programa e Projetos Especiais da Seduc; Erialdo Augusto Pereira, gerente de Educação do Campo e Quilombola; Paulo Rogério Gonçalves, diretor da Ong. Alternativas para Pequenas Agriculturas no Tocantins (APA-TO) e Maria Aparecida Ribeiro Sousa, coordenadora estadual das Comunidades Quilombolas do Tocantins (Coeqto).

Ficou definido que a equipe fará uma visita à Comunidade Quilombola do Mumbuca, no início do ano, para conversar com as lideranças, verificar que adaptações que a escola do local deverá passar para funcionar como instituição de ensino de referência quilombola.

A equipe fará um levantamento para se conhecer quantos jovens estão nas comunidades quilombolas e irão estudar no ensino médio e quantos estão no ensino fundamental e estão sem opções de estudar nas comunidades quilombolas. Com essas informações, a equipe da Seduc irá elaborar um projeto para atender as demandas específicas da educação quilombola.

O secretário Adão Francisco ressaltou a necessidade de começar, no início do ano, a discussão sobre o currículo quilombola, para que de fato, as Escolas de Referências Quilombolas comecem a funcionar. “Em 2015, foi um ano de formação para a nossa equipe pedagógica para disseminar e compreender as concepções teóricas do que realmente é a educação integral”, explicou Adão Francisco.

“O debate é positivo porque começamos a colocar em prática essas necessidades de uma educação diferenciada para as comunidades Quilombolas”, disse Maria Aparecida.