Campo

Foto: Divulgação

A Agência de Defesa Agropecuária do Tocantins (Adapec) e a Polícia Civil realizaram na manhã desta última sexta-feira, 04, uma operação de combate a comercialização ilegal de produtos agrotóxicos, numa fazenda no município de Goianorte. Foram apreendidos 260 litros de herbicidas falsificados e 40 litros de produtos utilizados na composição do produto. O proprietário foi multado em R$ 8.512,80.

A ação aconteceu após a Adapec receber uma denúncia de que um produtor rural estaria comercializando e utilizando agrotóxicos de maneira irregular. Com base nas informações foi montada uma ação em conjunto com a Polícia Civil e na propriedade foi constatado que o proprietário praticava a manipulação de vários produtos formando uma mistura falsificada de herbicida que era comercializada.

Segundo o gerente de Avaliação da Adapec, Alex Sandro Arruda Farias, o produtor foi autuado pela comercialização fracionada de produtos, comercialização e utilização de agrotóxico sem registro nos órgãos competentes estaduais e federais, reutilização de embalagens de agrotóxicos e manuseio de produtos sem os devidos cuidados com a saúde humana e o meio ambiente.

Na fazenda foi encontrado apenas o caseiro, porém o proprietário foi localizado no município de Presidente Kenedy e após contato ele resolveu se apresentar e assinou os autos de infração. A Delegacia de Polícia de Colméia, que responde por Goianorte, vai instaurar inquérito policial para apurar o caso. A Adapec concluirá o relatório da ação e encaminhará ao delegado para embasar o inquérito.

Já os produtos apreendidos foram lacrados e após assinatura de não violação dos lacres por parte do proprietário, foram armazenados em local seguro na propriedade onde os mesmos se encontravam e permanecerão até o fim da investigação e destinação final.    

O diretor de Defesa, Inspeção e Sanidade Vegetal da Adapec, Carlos Cesar Barbosa, disse que o Órgão mantém uma fiscalização constante de combate ao comércio ilegal de agrotóxicos. Ele ainda alertou os produtores rurais para que não adquiram produtos agrotóxicos sem registro e com embalagem que não seja a original. Além disso, o produto deve conter as informações técnicas (bula) e receituário agronômico emitido por um profissional legalmente habilitado.

O presidente da Adapec, Humberto Camelo disse que é importante que a população tenha conhecimento dos riscos que este tipo de comércio de produto clandestino oferece à saúde humana e ao meio ambiente. “Esta ação demonstra o compromisso da Adapec no combate ao comércio ilegal de produtos agrotóxicos”, finalizou o presidente.