Polí­tica

Foto: Divulgação

O deputado federal Carlos Henrique Gaguim (PMB), reiterou nesta segunda-feira, 7, a solicitação feita ao Governo do Tocantins para providenciar o conserto da única máquina de radioterapia que deveria estar em funcionamento no Estado. A máquina de radioterapia está quebrada desde o fim de 2014.

Gaguim disse que a quebra da máquina já foi citada no jornal da TV Globo, Bom Dia Brasil, e em diversos jornais impressos."O que será preciso para providenciarmos esse conserto, já que nem a imprensa divulgando o governo toma providencias?", questionou. 

Segundo o deputado, há outra máquina nova de radioterapia esperando para ser instalada há mais de 6 meses mas falta construir uma sala adequada para instalar o equipamento. O ministério da Saúde aguarda o Estado providenciar a estrutura para a instalação.

“O paciente tem que iniciar o tratamento contra o câncer em 60 dias e pensando nisso fiz até um requerimento 1639/15, que tramita aqui na Câmara dos deputados e que obriga o Estado a realizar o tratamento desses pacientes. Contudo, só temos uma máquina quebrada desde o fim de 2014 e a outra, novinha, que nunca foi usada por inoperância administrativa”. afirmou o parlamentar.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) prevê a necessidade de uma máquina para cada 300 mil habitantes. O Tocantins tem aproximadamente 1,5 milhão de habitantes e nesse caso necessitaria de pelo menos 5 (cinco) aparelhos. “Como vamos atender aos parâmetros da OMS, se não temos sequer uma máquina funcionando em todo Tocantins. Será que estou pedindo muito?”, questionou o deputado. 

Projetos de combate ao câncer

O deputado Carlos Gaguim é autor, também, do Projeto de Lei 4622/16, que dispõe sobre a ausência ao serviço de até 2 (dois) dias consecutivos para a realização de exames médicos preventivos do controle do câncer de mama e do colo do útero.

O deputado explicou: “Precisamos ter ações para prevenir o câncer, pois é a melhor maneira de evitar usar nosso sistema de saúde do Tocantins, pois, atualmente, se precisarmos fazer radioterapia teremos que ir para outro Estado. Isso é inadmissível!", afirmou. 

Outro projeto do parlamentar é o 4199/15, que destina, às ações de saúde pública de combate ao câncer, a arrecadação do imposto de renda e da contribuição social sobre as transações obtidas com a transferência de atletas de futebol. "Acho desproporcional milhares de brasileiros morrendo de câncer e os hospitais sem dinheiro para o combate a esta doença terrível e enquanto isso transações milionárias entre clubes em decorrência de transferência dos jogadores, que ganham mais de um milhão por mês. Nada mais justo que um percentual dessa transação vá para o combate ao câncer", disse o parlamentar.