Polí­tica

Foto: Divulgação

Acompanhando o governador Marcelo Miranda, o deputado federal César Halum (PRB), pediu respostas rápidas ao ministro dos Transportes, Antônio Carlos Rodrigues, no que diz respeito ao derrocamento do Pedral do Lourenço, situado na Hidrovia do Tocantins. A intervenção permitirá navegação de comboios de carga durante os meses de setembro a novembro, período em que o Rio Tocantins fica mais raso. Atualmente está previsto o funcionamento do Ecoporto Praia Norte somente no período de 7 meses do ano.

“Sabemos que o Brasil vive um momento delicado e que essa obra ultrapassa o custo de R$ 550 milhões reais, porém precisamos viabilizar durante 100% do ano a navegação deste canal. Com 15% da obra concluído, o Ecoporto Praia Norte já estaria livre desse problema, sem nenhum impedimento de navegação durante os 12 meses do ano”, explicou. O derrocamento consiste em abrir um canal navegável de cerca de 140 metros de largura no trecho.

Para Halum a obra aumentará a navegabilidade da hidrovia do Tocantins e facilitará o escoamento da produção agrícola, pecuária e mineral do Tocantins, Pará, Maranhão, Goiás e Mato Grosso, que tem o Porto de Vila do Conde e a região do baixo Amazonas como destino. O porto tem posição privilegiada em relação ao mercado europeu e ao norte-americano, além de rota com capacidade operacional estimada em 20 milhões de toneladas para o ano de 2025.

Ponte de Xambioá

As obras da ponte sobre o Rio Araguaia, na BR-153, no trecho que liga o município de Xambioá (TO) ao município de São Geraldo do Araguaia (PA), também foi assunto da audiência e já têm data para se tornar realidade. O ministro dos transportes garantiu para o governador Marcelo Miranda e para cinco parlamentares federais, que o Edital de Licitação será lançado até o dia 31 de maio.

A obra, que está contemplada no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), tem custo total estimado em R$ 160 milhões, sendo que R$ 100 milhões já estão garantidos no orçamento 2016 por meio de emenda da bancada federal, de caráter impositivo, ou seja, a verba estabelecida tem previsão orçamentária e execução financeira garantidas.

A ponte, com 1.721 metros de extensão, será construída no trecho da BR-153 que interliga as malhas viárias dos Estados do Tocantins e Pará. Atualmente, a travessia no trecho é realizada por meio de balsas, gerando transtornos à logística de escoamento da produção local e regional.