Educação

Foto: Divulgação

Três projetos do Tocantins foram pré-selecionados no Prêmio Arte na Escola Cidadã, que tem o objetivo de valorizar professores que desenvolvem projetos exemplares na área da arte em sala de aula.

Estão concorrendo ao prêmio, os professores Antônio Carlos de Sousa Matos, de Porto Nacional; Vanuza Santos Oliveira de Souza, de Fortaleza do Tabocão e Liubliana Silva Moreira Siqueira, de Palmas. Esses professores têm até o dia 9 de agosto para enviar o seu portfólio para o link http://artenaescola.org.br/hotsites/premio2016. Neste ano, foram inscritos 807 projetos e, destes, foram pré-selecionados 434.

Serão premiados projetos desenvolvidos nas linguagens artísticas (artes visuais, dança, música e teatro) nas categorias de Educação Infantil, Ensino Fundamental I, Ensino Fundamental II, Ensino Médio e Alfabetização de Jovens e Adultos (EJA).

A Comissão Organizadora concederá um prêmio no valor de R$ 10 mil para um professor de cada categoria, certificados, troféus, gravação de um documentário sobre o projeto e uma viagem cultural a São Paulo.

A escola, cujo professor for premiado, receberá um computador e uma câmara digital, além de troféus, publicações para bibliotecas e viagem cultural para um representante da unidade de ensino.

No próximo dia 19 de agosto, serão divulgados os projetos semifinalistas e, no dia 31 de agosto, será divulgada a lista com os vencedores. A solenidade para a entrega da premiação está marcada para o dia 9 de novembro.

O prêmio Arte na Escola Cidadã é realizado desde 2000 pelo Instituto Arte na Escola.

A arte de contar histórias no cordel 

Para a professora Vanuza, que Leciona Artes na Escola Estadual Major Juvenal Pereira de Souza, em Fortaleza do Tabocão, estar na lista dos pré-classificados é motivo de alegria. “Desenvolvi com os alunos da Educação de Jovens e Adultos um projeto no qual eles pesquisariam a história da cidade e depois escreveriam no formato de literatura de cordel. Fizemos a culminância desse projeto no mês de julho e percebemos que todos os alunos se envolveram em todas as etapas”, esclareceu a professora.

Vanuza contou que escreveu o seu projeto pela importância de os professores aproveitarem a oportunidade de divulgação da sua escola e de suas ações. “Eu acredito no poder transformador da educação, por isso, inovo, promovo ações dinâmicas e interativas, como forma de motivar e envolver todos os alunos no processo de aprendizagem”, destacou.

Sobre o seu trabalho com os alunos da Educação de Jovens e Adultos, Vanuza comentou: “Sinto um carinho especial pela EJA, sei que estes alunos merecem um pouco mais de dedicação e esforço de minha parte, pois tiveram coragem de retornar à escola depois de tanto tempo. Aprendi que não há limites para a arte, pois de mãos dadas podemos dar asas à imaginação”.