Saúde

Foto: Nielcem Fernandes  Marcos Musafir e Wanessa Zavarese Marcos Musafir e Wanessa Zavarese

Profissionais da saúde e representantes escolares de 90 cidades tocantinenses marcaram presença no auditório da Assembléia Legislativa nesta terça-feira, 9, para conferir o lançamento da Campanha Nacional de Hanseníase, Geohelmintíases e Tracoma 2016 que está sendo realizada através da Secretaria de Estado da Saúde, em parceria com a Secretaria de Estado da Educação, Conselho de Secretários Municipais de Saúde e as prefeituras dos municípios participantes. A campanha tem como público-alvo estudantes de cinco a 14 anos matriculados no ensino fundamental da rede publica de ensino e promove atividades de educação em saúde para auxiliar na identificação de casos de hanseníase, verminoses e tracoma. 

No evento, o secretário de estado da Saúde, Marcos Musafir, disse que a campanha conta com a adesão dos municípios que mais tem casos dessas patologias e explicou como funciona nas escolas. “Hoje 90 municípios aderiram, e são justamente os 90 municípios que mais têm casos de hanseníase, tracoma e verminoses. O profissional da saúde vai às escolas, e junto aos professores, explicam aos alunos que levam a cartilha com figuras, mostrando o que é essa doença. Eles discutem o assunto com os pais e observam se há alguma mancha ou sintoma. Quando voltam com essa informação, caso tenha alguma resposta positiva, são encaminhados a uma unidade de saúde para iniciar o tratamento”, detalhou o secretário.

A secretária de Educação Wanessa Zavarese falou da parceria da equipe da secretaria de saúde com a equipe da secretaria de educação. “Nós desenvolvemos esse trabalho junto aos municípios e junto às escolas das redes estaduais e municipais. É um trabalho de mobilização, sensibilização, orientação e formação, para que possamos identificar e fazer um trabalho de prevenção”. Wanessa frisou também o quanto essas doenças podem impactar no processo de aprendizagem. “As campanhas são muito importantes, e as pesquisas apontam que vem diminuindo os casos de doença no estado do Tocantins, ano após ano”. 

Adesão e metas

Em 2015, a campanha alcançou 77 municípios em todo o Estado. A meta é ampliar a adesão à campanha para os 139 municípios no próximo ano. A meta estipulada pelo Ministério da Saúde, na campanha, para a hanseníase é de investigar os sinais e sintomas em, no mínimo, 75% dos escolares da faixa etária preconizada. Para as verminoses, a meta é tratar 85% dos alunos. Para o tracoma, a meta é avaliar 80% dos alunos matriculados no ensino fundamental.

De acordo com a diretora estadual de Vigilância Epidemiológica das Doenças Vetoriais e Zoonoses, Mary Ruth Batista Gloria, as doenças estão diretamente relacionadas a crianças e adolescentes de baixa renda. “O tracoma, por exemplo, ainda é muito vinculado a questão de saneamento básico, higiene e, sobretudo, nessa faixa etária em que se precisa trabalhar higiene pessoal, cuidados com o corpo. Acredita-se que através da educação a gente consiga desenvolver bem essas estratégias e fazer com que essas crianças cresçam saudáveis e com capacidade de prevenir e tratar agravos tão negligenciados e tão antigos, com atitudes simples”.

Para a diretora estadual de Doenças e Agravos Transmissíveis e Não transmissíveis, Adriana Cavalcante, a parceria com as escolas facilita o desenvolvimento da estratégia da campanha nos municípios. “Essa abertura das escolas, esse acesso e envolvimento dos professores e toda a estrutura administrativa desse processo são fundamentais para que consigamos atingir o êxito”.

Outro fator relevante que Adriana citou é a adesão dos municípios, que vem aumentando a cada ano. “O ministério seleciona os municípios prioritários, mas tivemos muitos municípios voluntários, que mesmo sem receber o incentivo, aderiram à campanha considerando que é uma campanha extremamente salutar”, completou. 

Ações nos Municípios

Gurupi está entre os municípios prioritários, e há quatro anos consecutivos participa da campanha. Monica Paula de Gurupi, coordenadora municipal de hanseníase e tuberculose, explicou como é feito o trabalho de prevenção a esta doença nas escolas. “Mandamos para as crianças a ficha de auto-imagem para casa, os pais preenchem, relatando se a criança tem manchas ou algum caso na família, depois levamos para as unidades de saúde e faz um levantamento dos casos que são suspeitos. É importante frisar que não apenas a criança identificada com hanseníase é tratada, mas também toda a sua família, ainda que eles não apresentem sintomas da doença”, finalizou.  

“Acredito que teremos uma excelente campanha e coloco o Cosems-TO à disposição para ajudar na divulgação e na mobilização desses municípios”, disse Vânio Rodrigues, presidente do Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Tocantins (Cosems-TO).