Saúde

Foto: Divulgação Catarata é considerada a maior causa de cegueira tratável Catarata é considerada a maior causa de cegueira tratável

Para o idoso, o sentido da visão ganha exponencial importância, seja no ambiente doméstico, seja principalmente no ambiente externo. Por este motivo, os cuidados com os olhos devem ser tomados como fundamentais, principalmente na Terceira Idade. Muitas doenças que afetam esses órgãos são mais frequentes a partir dos 40 anos de idade. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), mais de 80% da população cega no mundo tem mais de 50 anos.

A Catarata, por exemplo, é considerada a maior causa de cegueira tratável, sendo que 85% dos casos acometem as pessoas com idade acima de 50 anos. “Ela se caracteriza por uma progressiva opacidade do cristalino, que é a lente que proporciona a nitidez e a acuracidade do sentido da visão, e que provoca a diminuição da qualidade visão”, explica Dr. Pedro Oliveira, diretor médico da ePharma, empresa líder no mercado de assistência de benefícios farmacêuticos.

Ela pode provocar desde pequenas distorções visuais até a cegueira. “Somente o procedimento cirúrgico recupera a capacidade visual do portador de catarata”, explica o médico. Não há tratamento clínico para os sintomas da catarata, da mesma forma que não há nenhum recurso de cuidado preventivo primário que altere o curso de evolução desta moléstia, mas o tabagismo é considerado como fator que potencializa o processo evolutivo da catarata.

Trata-se de uma condição degenerativa, que pode ser adquirida ou congênita - associada a herança genética de cada indivíduo - e que, uma vez instalado, evolui até a completa perda da transparência - ou como a própria definição da estrutura é identificada: da cristalinidade.

Pedro Oliveira, destaca ainda os agravos aos portadores de Diabetes. Essas pessoas têm 25 vezes maior risco de perda da visão e, segundo a OMS, a retinopatia diabética atinge mais de 75% dos pacientes que têm Diabetes há mais de 20 anos. “Esses pacientes precisam cumprir controle regular pelo oftalmologista e seguir rigorosamente o tratamento médico”, orienta o diretor da ePharma.

O Glaucoma é outra doença ocular que pode levar à cegueira e a fase crônica atinge principalmente pessoas acima de 35 anos de idade. Ela é diagnosticada como uma lesão no nervo óptico, reduzindo o campo visual e vem acompanhada de pressão intraocular elevada na maioria dos diagnósticos. “O tratamento com colírios atende a maioria dos casos. Mas, em outros, pode ser necessária a intervenção cirúrgica”, explica Dr. Pedro Oliveira.

A Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI) é outra doença que afeta a visão e geralmente é diagnosticada em pacientes a partir dos 60 anos de idade. Segundo o médico, a DMRI afeta a área central da retina e com danos irreversíveis para o paciente: “O diagnóstico precoce é muito importante nesse caso. Isso ajuda a controlar os efeitos da doença”.

Sobre a ePharma

Consolidada como principal player no recente mercado brasileiro de assistência farmacêutica, a ePharma dispõe de tecnologia que conecta, em tempo real, aproximadamente 24 mil farmácias e drogarias de todo o país a um sistema autorizador ancorado em um potente banco de dados, dando acesso a medicamento a mais de 27 milhões de pessoas.

O portfólio de serviços da ePharma traz ainda serviços inovadores voltados à saúde e ao bem-estar dos beneficiários. Dentre eles, destacam-se o Plano de Medicamentos no modelo de pré-pagamento baseado no levantamento da estimativa de gastos com medicamentos de acordo com o perfil dos colaboradores, como o ePharma Plenus; o gerenciamento de doentes crônicos; o Concierge da Saúde, que é um serviço multidisciplinar de aconselhamento telefônico que oferece assistência nutricional, enfermagem, psicóloga, médica e farmacêutica; Unidade de negócios Farma responsável pelo acompanhamento dos pacientes via call center especializado; Specialty Care, direcionado a promover o acesso e a gestão do tratamento de pacientes portadores de doenças complexas e raras.

A companhia detém ainda mais da metade do mercado de assistência farmacêutica, com uma carteira de cerca de 150 empresas, constituindo 1.610 programas.