Polí­cia

Foto: Divulgação

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira, 22 de setembro no Tocantins a "Operação Colheita" com o objetivo de coibir a prática dos crimes de falsificação e uso de documento falso para fins eleitorais. Foram mobilizados 55 policiais federais para o cumprimento de 8 mandados de busca e apreensão em endereços localizados nas cidades de Palmas e Lajeado, e ainda 47 mandados de condução coercitiva.

A investigação iniciou-se há cerca de cinco meses com a prisão em flagrante de alguns nacionais pela prática dos delitos previstos nos artigos 348 e 353 do Código Eleitoral, na cidade de Miracema/TO, ao promoverem a demanda pela transferência fraudulenta do domicílio eleitoral. O Inquérito Policial inicialmente instaurado pela Polícia Civil de Miracema foi retombado pela Polícia Federal em Palmas, ante a decisão judicial da 5ª Zona Eleitoral.

No decorrer das investigações foram constatadas também a ocorrência de inúmeras transferências de inscrições eleitorais para o município de Lajeado fundamentadas em documentos com indícios de falsidades, como por exemplo, fichas de atendimento médico nos postos de saúde do município. Ressalte-se que Lajeado apresenta 3334 eleitores e uma população estimada em 2838 habitantes. Foram efetuados 92 cancelamentos de inscrições eleitorais pelo Cartório Eleitoral da 5ª Zona Eleitoral, em Miracema/TO.

A PF também vislumbrou a possibilidade da ocorrência de corrupção eleitoral em consequência da distribuição e incentivo de ocupação de lotes, com promessa de futura doação em troca de votos por vereadores que apoiavam um candidato a prefeito, na área denominada Loteamento Norte Sul.