Estado

Foto: Divulgação

Em acolhimento ao expediente subscrito pelo desembargador Marco Anthony, presidente da Comissão de Regimento e Organização Judiciária, com anuência dos demais desembargadores membros da Comissão, os servidores do Poder Judiciário do Estado do Tocantins, nessa sexta-feira, 23 de setembro de 2016, em assembleias regionalizadas, deliberaram pela suspensão da greve geral até a votação do projeto de lei que versa sobre a Revisão Geral Anual (data-base) da categoria, em sessão do Tribunal Pleno, aprazada para o dia seis de outubro.

“Considerando que a Comissão, por meio do Des. Marco Anthony solicita a suspensão do movimento de forma respeitosa e serena, revelando compromisso com o Poder Judiciário, jurisdicionados e seus servidores, compromisso e características estas que se estende aos demais membros da corte, os servidores ACATAM o pedido e suspendem o movimento grevista até a sessão ordinária do Tribunal Pleno do dia 06/10/2016, onde esperam que seja votada em definitivo a Revisão Geral e Anual de suas remunerações no índice oficialmente aferido de 11,28% (onze vírgula vinte oito por cento)”, assim deliberam os servidores da Comarca de Palmas em trecho da ATA da Assembleia.

O presidente do Sindicato dos Servidores da Justiça do Estado do Tocantins (SINSJUSTO), Fabrício Ferreira, diz que a suspensão da greve é um sinal de respeito e confiança no colegiado. “A classe de forma uníssona deliberou nas 42 comarcas pelo acatamento do pedido, e isso se dá pelo indiscutível respeito e confiança que a categoria deposita no colegiado. Sempre tivemos em mente que a colegialidade deve ser respeitada e tratada com a deferência que sua importância requer, razão pela qual acreditamos na sensibilidade de todos os desembargadores componentes do Tribunal Pleno, pois sentimos e sabemos do incansável trabalho do colegiado em promover a entrega da justiça”, relatou Ferreira.

O Sinsjusto também destaca o trabalho da OAB-TO como mediadora imparcial no momento de crise. “Esta formação da OAB é sensível e preocupada com bem estar social. A categoria  agradece a postura sempre serena e imparcial da Ordem dos Advogados do Brasil  no Tocantins – OAB”, esclarece Fabricio Ferreira.

Os servidores suspendem o movimento e voltam a trabalhar normalmente a partir de segunda-feira, 26, mas seguem em estado de greve até a data do Pleno.

Entenda

A greve do servidores do judiciário do Tocantins iniciou na última segunda-feira, 19, e a paralisação foi deliberada e aprovada durante a Assembleia Geral Extraordinária realizada no dia três de setembro, em Palmas com quórum de mais de 350 servidores.

O movimento é pela manutenção dos direitos da classe em prol do recebimento da data-base 2015, que deveria ter sido paga em maio, com o percentual de 11,28%.