Polí­tica

Foto: Divulgação

O deputado estadual Paulo Mourão (PT) subiu na tribuna da Assembleia Legislativa do Tocantins na sessão da manhã desta terça-feira, 27, para defender a proposta do Governo Federal de implantar um novo modelo de Ensino Médio no Brasil. O deputado disse ser uma matéria amadurecida para que se possa fazer inovação no processo curricular de ensino brasileiro. "Vamos com certeza fazer com que o jovem brasileiro e tocantinense possa se interessar mais pelos estudos. Os estados vão ter uma responsabilidade maior no processo da qualificação educacional", afirmou. 

De acordo com Mourão, os jovens de 18 a 24 anos já não conseguem dar continuidade aos estudos. “Há uma clara evidência que hoje os jovens de 18 a 24 anos já não conseguem mais dar continuidade aos estudos, alguns por problemas financeiros, familiares, outros de regiões muito pobres, sem assistência e sem o adequado apoio das políticas públicas educacionais e de certa forma tem desmotivado a juventude brasileira", disse. 

Segundo o deputado, em torno de 60% dos jovens de 18 a 24 anos nas cidades tocantinenses Palmas, Porto Nacional, Araguaína, Gurupi e Paraíso do Tocantins estão fora das salas de aula. "O Estado do Tocantins é um exemplo de como nós temos uma realidade extremamente dura e de difícil aceitação porque a massa trabalhadora, justamente a juventude que deveria ser qualificada, estruturada de forma qualificada no processo educacional e tecnológico está sendo de certa forma excluída do processo do desenvolvimento. As cidades do Estado do Tocantins, em média as grandes cidades: Palmas, Porto Nacional, Araguaína, Gurupi, Paraíso tem em média algo em torno de 60% dos jovens de 18 a 24 anos fora das salas de aula. Se você vai para regiões do sudeste atinge a média às vezes de 83 % dos jovens de 18 a 24 anos fora das salas de aula. Se você vai ao Bico do Papagaio é em média 70, 73%. Isso é a clara evidência de que há um processo desmotivador do jovem a estar dentro das salas de aula", afirmou. 

Para o deputado Paulo Mourão, as escolas e o governo não conseguem fazer um link de diálogo com o setor educacional e o setor empregador. "Então ficam os jovens no processo de exclusão.Vejo com muita simpatia e com muita alegria, observar que agora temos já uma conclusão desta modificação, dessa modernização do currículo do ensino médio no Brasil", disse. 

A Medida Provisória com a proposta do novo Ensino Médio brasileiro foi encaminhada para aprovação no Congresso Nacional. O Tocantins pretende implantar o novo ensino médio, gradativamente.

A secretária da Educação do Tocantins, Wanessa Sechim, recomendou que os servidores da Educação do Estado não se manifestem sobre as mudanças no Ensino Médio e recebeu críticas.