Estado

Foto: Divulgação

O Sindicato dos Servidores Públicos no Estado do Tocantins (Sisepe/TO) acompanhou a votação da revisão geral anual da remuneração dos servidores, em sessão extraordinária na Assembleia Legislativa, nessa terça-feira, 27. O plenário da Casa aprovou o Projeto de Lei encaminhado pelo Poder Executivo que determina a revisão no mesmo índice é na mesma data para todas as carreiras, sob o percentual 9,8307% que será implementado em três etapas.

Para o presidente do Sisepe, Cleiton Pinheiro, a lei, como foi aprovada não respeita os direitos dos servidores porque deixa de fora o pagamento dos passivos do retroativo de 2015 e 2016, além de pagar de forma parcelada um direito que deveria ser cumprido integralmente. "Na época em que o governo apresentou o acordo que foi aprovado, o Sisepe não assinou o termo porque não concordava com a proposta da maneira como ela foi apresentada. Sempre cobramos o pagamento de forma integral, e de tudo que o governo deve. Lutamos por um direito previsto em lei, queremos que eles seja cumprido", ponderou Cleiton.

Na Comissão de Administração, Trabalho, Defesa do Consumidor, Transporte, Desenvolvimento Urbano e Serviços Públicos, o deputado estadual José Roberto (PT), ressaltou que a lei aprovada não atendia plenamente as demandas dos servidores, mas que representava uma conquista da categoria, que ficou paralisada por 106 dias em 2016, reivindicando o pagamento do direito.

No dia 9 de agosto deste ano, servidores públicos de todo o Estado deflagraram uma greve que durou mais de cem dias. A categoria reivindicava o pagamento dos retroativos de 2015 e a data-base de 2016.