Economia

Foto: Kleiber Arantes

Com a participação de artesãos tocantinenses, teve início nesta quinta-feira, 6, no Centro de Convenções de Pernambuco, em Olinda (PE), a 18ª Feira Nacional de Negócios de Artesanato (Fenearte). Por meio de edital, foram selecionados pela Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia, Turismo e Cultura (Seden), em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-TO), três artesãos e cinco entidades representativas do Estado, com suas respectivas produções.

No evento, as peças artesanais do Tocantins ocupam um espaço coletivo de 35 m², apresentando aos visitantes a diversidade e beleza do artesanato confeccionado com muita criatividade, de forma sustentável, e com matérias-primas únicas, como o Capim Dourado. Outras peças são produzidas com toque de delicadeza a partir de materiais como madeiras, sementes, cerâmicas, couro, buriti e babaçu, além de cascas, flores, folhas do cerrado e cristais. As peças, além de encantar os turistas, são motivo de orgulho para os tocantinenses.

A partir do edital publicado pela Seden e Sebrae, em consonância com a Coordenação Nacional do Programa do Artesanato Brasileiro (PAB), da Secretaria Especial da Micro e Pequena Empresa da Presidência da República (SEMPE/PR), foram contemplados os seguintes artesãos: Iracy Miranda da Silva, de Palmas, que expõe na feira suas biojoias de Capim Dourado; Marcio Bello dos Santos, de Porto Nacional, com sua arte em miniaturas em casca de cajazeira, instrumentos musicais em cerâmica e pele de animal, gravuras, esculturas e entalhes; e Lúcia de Carvalho Gomes, também de Palmas, com seus colares, brincos e pulseiras de Capim Dourado.

Já entre as entidades representativas que se inscreveram no edital, foram selecionadas a Associação dos Artesãos de Capim Dourado Pontealtense (AACDP), de Ponte Alta; a Cooperativa dos Artesãos de Biojoias de Xambioá (COOABX); o Centro Cultural Karajá, de Lagoa da Confusão; a Associação Dianapolina de Artesãos (ADA), de Dianópolis; e a Associação dos Artesão de Coco Babaçu de Aguiarnópolis.

Superintende de Desenvolvimento da Cultura  da Seden, Noraney de Fátima Fernandes de Castro reforçou a importância da participação dos artesãos em mais um evento de caráter nacional. “A Fenearte é, sem dúvida, uma das grandes vitrines para o artesanato e a presença do Estado reforça o nosso compromisso de valorizar e incentivar os nossos artesãos. Feiras como estas representam mais do que a exposição da arte, mas uma oportunidade de incrementar as vendas, gerando renda”, destacou a superintendente, reforçando o chamamento para que os artesãos do Estado participem cada vez mais dos editais desta natureza.

Sobre a feira

A 18ª Fenearte prossegue até o dia de 16 de julho e é considerada a maior feira de artesanato da América Latina. Anualmente recebe centenas de visitante, artistas, expositores, além de oferecer uma programação variada.

Durante os dias do evento, o público poderá conferir, além dos stands com os artesanatos, o espaço Interferência Janete Costa, a Fenearte Sustentável, Espaço Sebrae de Artesanato, Salão de Arte Popular Ana Holanda, Alameda dos Mestres, espaço Infantil, oficinas de artesanato, desfiles de moda, o Salão de Arte Popular Religiosa de Pernambuco, rodadas de negócios, apresentações culturais, Food Park e Food Bike e praça de alimentação.

Em 2016, a Fenearte reuniu cerca de cinco mil expositores, de origem local, nacional e internacional.