Polí­tica

Foto: Divulgação

A deputada estadual Amália Santana (PT) classificou como um retrocesso a aprovação, pelo Senado, do texto da Reforma Trabalhista. A aprovação aconteceu na noite desta última terça-feira, 11.

O texto havia sido aprovado pela Câmara em abril e não sofreu alterações pelos senadores. Agora, segue para sanção do presidente Michel Temer. As mudanças devem entrar em vigor 120 dias após a publicação da lei no Diário Oficial da União.

A parlamentar tocantinense afirmou que a reforma desrespeita as lutas do trabalhador. “A reforma não teve base democrática, não foi discutida com o trabalhador e destruiu os avanços trabalhistas garantidos pela Constituição”, explicou Amália.

Para a deputada, o texto aprovado, juntamente com  a lei da terceirização, acaba com a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) no Brasil. “Isso é um retrocesso de 100 anos para os direitos trabalhistas. Nossos trabalhadores perderam garantias e terão que se submeter a força do patrão “, destacou.