Polí­tica

Foto: Divulgação

O deputado federal Vicentinho Júnior (PR/TO), encaminhou nota à imprensa na tarde desta sexta-feira, 22, rebatendo críticas contra ele, realizadas pelo vereador Tiago Andrino (PSB), por manifestar no plenário da Câmara Federal descontentamento em relação à política adotada pelo prefeito de Palmas, Carlos Amastha (PSB), envolvendo a crise na qual a Educação da Capital vem enfrentando. "No afã de defender o prefeito, seu companheiro de partido e, principalmente, seu patrono, o vereador mostrou desconhecimento e despreparo no que se refere às obrigações de um parlamentar", analisou Vicentinho. 

Vicentinho destaca em nota que foi eleito legitimamente pelo povo, tendo recebido 51.069 mil votos em todo o Tocantins, sendo 2.629 em Palmas e que por isso, tem o direito, o dever, e obrigação de posicionar-se diante de qualquer fato ligado aos interesses da população do Estado e da capital. 

O parlamentar colocou-se à disposição dos professores e do Sindicatos dos Profissionais da Educação (Sintet) para mediar discussão. Segundo Vicentinho, o prefeito Amastha cometeu improbidade administrativa. "Um movimento legítimo e que está levando professores a fazer greve de fome. Diante de tal situação, entendemos que, se hoje o prefeito diz não poder cumprir nenhum dos acordos firmados em pacto, significa que ele cometeu improbidade administrativa ao assinar um documento oficial envolvendo questões orçamentárias e financeiras do município de Palmas, sabendo que tais compromissos seriam inviáveis de serem cumpridos", afirma o deputado. 

Para concluir, Vicentinho Júnior ainda alfinetou."É importante lembrar que o prefeito, cuja síntese de discurso sempre foi combater a velha política, tem praticado atos de uma política absolutamente arcaica, como por exemplo, se fechar ao diálogo e impondo a sua única vontade, forçando professores a medida extrema de praticar a greve de fome para alcançar seus direitos constituídos, além de mandar prender um professor grevista, no ano de 2015. Para encerrar, quero lembrar que continuamos assim: o vereador defendendo seu patrono, o prefeito, e eu defendendo o povo", concluiu. 

Confira a nota na íntegra 

Nota de Esclarecimento:

Na última quinta-feira, 21 de setembro, o vereador do PSB, Tiago Andrino, criticou minha atitude de  usar o plenário da Câmara Federal, onde manifestei meu descontentamento em relação à política adotada pelo prefeito de Palmas na questão que envolve a crise pela qual a educação municipal está passando. O vereador questionou minha  presença em tal discussão como se eu não tivesse nada a ver com o tema. No afã de defender o prefeito, seu companheiro de partido e principalmente seu patrono, o vereador mostrou desconhecimento e despreparo no que se refere às obrigações de um parlamentar. Por isso divido essa nota de esclarecimento em partes.

No que se refere à obrigação:

No papel de deputado federal eleito legitimamente pelo povo, tendo recebido 51.069 votos em todo estado, sendo 2.629  em Palmas, tenho sim o direito e o dever, e mais que isso, tenho a obrigação de me posicionar diante de qualquer fato que esteja ligado aos interesses da população de nosso Tocantins.

No que se refere ao direito de cobrar: 

O que fiz na tribuna da Câmara Federal foi cobrar do prefeito de Palmas o cumprimento de um pacto assinado  por ele, assumindo compromissos com o setor da educação, cujo descumprimento está  sendo o estopim da greve em andamento. Fato gravíssimo que nos leva à seguinte conclusão; ou o prefeito não dá a mínima para compromissos assumidos, ou ele não tinha nenhum conhecimento da situação do setor educacional no município e assinou o pacto apenas como mais uma promessa eleitoreira, o que é pior.

No que se refere às inverdades ditas pelo vereador: 

No intuito de tentar arranhar  minha imagem, ou simplesmente pelo fato de desconhecer completamente o que se passa em âmbito federal, o vereador faltou com a  verdade ao dizer que votei a favor das reformas trabalhista e da previdência, sendo que todos sabem que sou contra a reforma da previdência. Já sobre a reforma trabalhista , votei a favor  da modernização da mesma,  cujas mudanças estão surtindo efeito com a criação de 163 mil novos postos de trabalho em 2017, sendo mais de 35 mil com carteira de trabalho ao longo do mês de agosto, segundo dados do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) do Ministério do Trabalho e Emprego.

No que se refere ao movimento:

No papel de deputado federal e representante dos tocantinenses, me coloco à disposição dos professores e do  sindicato para intermediar ou mediar essa discussão, já que esse impasse prejudica os profissionais da educação municipal e consequentemente  os alunos. Um movimento legítimo e que está levando professores a fazer greve de fome. Diante de tal situação, entendemos que,  se hoje o prefeito diz não poder cumprir nenhum dos acordos firmados no pacto, significa que ele cometeu improbidade administrativa ao assinar um documento oficial envolvendo questões orçamentárias e financeiras do município de Palmas, sabendo que tais compromissos seriam inviáveis de serem cumpridos.

No que se refere à nova ou velha política: 

É importante lembrar que o prefeito, cuja síntese de discurso sempre foi "combater a velha política", tem praticado atos de uma política absolutamente arcaica, como por exemplo, se fechar ao diálogo e impondo a sua única vontade, forçando professores a medida extrema de praticar a greve de fome para alcançar seus direitos constituídos, além de mandar prender um professor grevista, no ano de 2015.

Para encerrar, quero lembrar que continuamos  assim; o vereador defendendo seu patrono, o prefeito,  e eu defendendo o povo.

Assinado

Vicentinho Junior

Deputado Federal