Meio Ambiente

Representantes dos Ministérios do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, do Meio Ambiente e da Ciência e Tecnologia assinaram hoje (18), com representantes de vários setores da indústria, protocolo de intenções sobre o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL).

O documento consta da pauta do Ano do Desenvolvimento Limpo, lançado ontem (17) pelo governo, e visa conscientizar a sociedade civil sobre o papel do MDL e do mercado de carbono na redução da emissão de gases que provocam o efeito estufa (uma das principais causas do fenômeno de aquecimento global) na atmosfera.

Em solenidade na Confederação Nacional da Indústria (CNI), o secretário de Desenvolvimento da Produção do Ministério do Desenvolvimento, Nilton Sacenco, destacou as oportunidades de negócios que se abrem com a implementação desse tipo de desenvolvimento, além da redução na emissão de gases e do benefício ecológico resultante da medida.

"Existem recursos que podem vir através do Protocolo de Quioto [assinado em 2000, estabelece metas para redução de gases que provocam efeito estufa por países desenvolvidos e em desenvolvimento], que permite a redução na emissão de carbono por países que tenham projetos nesse sentido, e o Brasil se encaixa dentro desse cenário", disse Sacenco.

Para ele, tais projetos poderiam render ao Brasil cerca de US$ 3 bilhões em cinco anos, mas o baixo número de proposições - pouco mais de 200 no total - faz com que o país aproveite apenas 30% desses recursos em potencial. A assinatura voluntária do protocolo de desenvolvimento limpo, segundo ele, representa um importante passo nesse sentido.

"É uma maneira de se organizar para isso, organizar a sociedade, as empresas, o governo e as comunidades como um todo. O Brasil se encontra em terceiro lugar em número de projetos que visam capitalizar recursos do Protocolo de Quioto - perdemos para a China e a Índia. Nada mais natural que aumentemos o número de projetos até para colocar em prática nossos discursos em torno da matriz energética limpa", ressaltou Sacenco.

O gerente-executivo de Competitividade Industrial da CNI, Maurício Mendonça, destacou o caráter oportuno da assinatura do protocolo, que, para ele, permitirá uma aceleração das ações da confederação e de outras entidades empresariais para reduzir os problemas derivados de mudanças climáticas nesse sentido. Segundo Mendonça, mesmo que as taxas brasileiras de emissão de carbono não sejam muito altas e que a indústria não seja o setor que mais contribui para a elevação delas, o importante é o exemplo, e o setor industrial deve se configurar como pólo efetivo de combate ao aquecimento global.

Mendonça enfatizou a necessidade de diálogo permanente com o governo federal para construção de consensos de interesse do país e citou como importantes desafios para esse processo a conciliação entre a forte redução do desmatamento da Amazônia com as atividades desenvolvidas na região. Ele lembrou também que é preciso ver como o país vai se posicionar frente à grande pressão internacional para redução das taxas de emissão de carbono e seu impacto para o setor industrial.

Assinado o protocolo sobre desenvolvimento limpo, o próximo passo será formar uma comissão com representantes do governo e de cada signatário do documento para implementar metas, ações e prazos. De acordo com o secretário Nilton Sacenco, o prazo deverá ser o mais curto possível, pois a matéria exige pressa e urgência.

Agência Brasil

Por: Redação

Tags: Comércio, indústria, Meio Ambiente, tecnologia