Campo

Acontece hoje, dia 26/10, às 10h, na sede da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Tocantins (Faet) um encontro com produtores rurais de todo o Estado, Sindicatos Rurais e empresas leiloeiras. Na ocasião o presidente da Faet, Júnior Marzola e o presidente Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Tocantins, Humberto Camelo estarão esclarecendo sobre a nova regulamentação da vacinação contra febre aftosa. A segunda etapa de vacinação começa no dia 1º até 30 de novembro.

Segundo o Diário Oficial da União (DOU), a Instrução Normativa nº. 44, de 02 de outubro de 2007, estabelecem as diretrizes gerais para a erradicação e prevenção da febre aftosa. De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) a IN 44/07 revoga diversas normativas sobre o assunto e incorpora as definições e conceitos de acordo com as normativas internacionais, principalmente quanto ao Código Sanitário para Animais Terrestres da OIE.

O presidente da Faet, Júnior Marzola alerta que só podem ser comercializadas e utilizadas as vacinas registradas e controladas pelo Mapa. “Organizamos este encontro com os produtores rurais do Tocantins para esclarecer melhor os detalhes sobre esta nova instrução normativa. A Pecuária de Corte no Tocantins é hoje a principal atividade do Estado, inclusive para exportação e para termos competitividade no mercado o produtor deve estar atento às estas exigências”, reforça o presidente.

Vacinas

A Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Tocantins (Adapec) informa que 8 milhões e 500 mil doses de vacina contra a febre aftosa serão disponibilizadas para o Tocantins, conforme dados da Central de Selagem de Vacinas Veterinárias do Programa Nacional de Erradicação da Febre Aftosa. A vacinação é obrigatória em todos bovinos e bubalinos. O produtor tem um prazo de 10 dias, após a imunização, para comprovar a vacinação junto ao escritório local da Agência. Para efeito de comprovação, deverão ser apresentadas a nota fiscal da compra da vacina e a carta aviso.

Condição fundamental

O Brasil é o maior exportador de carne bovina no mundo. No ano passado, as exportações de carnes (para mais de 164 países) geraram U$ 8,3 bilhões. O controle sanitário dos rebanhos é condição fundamental para o País continuar exportando e abastecendo o mercado interno

Ascom Faet

Por: Redação

Tags: Estado, Pecuária, Tocantins, agricultura, campo