Opinião

A juventude é o futuro do Brasil e do mundo. Esse jargão, utilizado em discursos políticos, em trabalhos técnicos e mesmo nas rodas informais de conversas, retrata a pura verdade. É a ousadia, a coragem, a criatividade, a modernidade e o preparo dos nossos jovens, que se valendo das experiências e das descobertas das gerações passadas, constituirão um futuro, esperamos, cada vez melhor.

Porém, a palavra, que a meu ver, é a chave para o sucesso da proatividade juvenil é oportunidade. O jovem precisa de oportunidade para que toda a sua potencialidade seja desenvolvida e colocada a serviço de sua vida e de seus semelhantes. Oportunidade à saúde de qualidade, à educação que realmente o forme para as exigências do mundo atual, oportunidade de emprego, de viver e atuar dignamente na sociedade.

Mas o resultado que temos acompanhado através dos números das últimas pesquisas nos leva a crer que a saída é uma mudança de rumo. O Relatório de Desenvolvimento Juvenil de 2007 é um indicador da vulnerabilidade dos jovens brasileiros. Esse é o terceiro de uma série, que começou em 2003 e vem acompanhando o desenvolvimento da situação social e econômica dos jovens de 15 a 24 anos, nas dimensões da saúde, da educação, da renda e da ocupação. Esse estudo foi desenvolvido pela Rede de Informação Tecnológica Latino Americana (Ritla) e pelo Instituto Sangari, com o apoio do Governo Federal. O levantamento aponta que a mortalidade juvenil vem crescendo, contrariando a tendência do restante da população, cuja taxa de mortalidade caiu nos últimos anos. A principal causa da mortalidade da nossa juventude é a violência. O Brasil é o terceiro da lista de 86 países pesquisados pelo Mapa da Violência de 2006, que calcula a quantidade de homicídios juvenis. No levantamento, o Brasil perde apenas para a Colômbia e para a Venezuela.

Somados os acidentes de transporte e o suicídio, a violência é responsável por mais de 60% da mortalidade dos jovens brasileiros. Das mortes por enfermidades ou doenças, 92% seriam evitáveis através da vacinação, das ações preventivas, do diagnóstico precoce e do controle da gravidez. A saúde dos nossos jovens merece grande preocupação no que se refere às políticas públicas.

Na educação, estudos nos mostram que, na faixa dos 15 a 24 anos, em 12 dos 27 estados brasileiros, todos pertencentes às regiões Norte e Nordeste, a população jovem não chega a oito anos de estudo.

Se considerarmos os parâmetros internacionais para se avaliar a qualidade da educação brasileira, é possível constatar que a situação é extremamente preocupante. Os resultados da pesquisa do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa) colocam o Brasil em uma das piores posições. O nível de desenvolvimento dos jovens brasileiros é extremamente baixo e de contínua erosão nos últimos tempos. O que mais nos preocupa é que esse gargalo na qualidade da educação brasileira não é simples de se resolver, nem é possível esperar avanços num curto prazo. Mas é necessário que se encare o problema, que se priorize a educação desde os primeiros anos de vida, que se promova uma verdadeira transformação no ensino brasileiro, para que o nosso jovem seja preparado e tenha oportunidade e condição de competir com os jovens de todo o mundo.

No Brasil, os jovens que só estudam são apenas 30%. Outros 18%, estudam e trabalham, 32% só trabalham e 20% nem estudam e nem trabalham.

Como era de se esperar, as pesquisas mostram que as oportunidades de estudo e trabalho dos jovens são determinadas pela situação financeira das famílias. E é aí que o ciclo se estabelece. Como não tem nível de escolaridade compatível às demandas de trabalho, o jovem não consegue emprego. Como não tem renda suficiente, não consegue continuar os estudos.

Entre 2001 e 2003, a renda per capita da juventude brasileira variou de 1,46 para 1,31 salário mínimo. De 2003 a 2006, a queda foi de 1,31 para 1,23 salário mínimo. Isso aconteceu em todos os estados brasileiros. Pelos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad), divulgados em 2006, apenas 49,2% dos jovens têm renda própria.

As desigualdades de oportunidades do jovem no acesso ao universo digital, com as novas tecnologias de informação e comunicação, reforçam as sólidas diferenças sociais e educacionais existentes. Só 24,3% da nossa juventude tem acesso ao computador e desse percentual, apenas 18,6% tem acesso à internet. Enquanto a maioria da população não tem acesso à grande rede de computadores, a minoria bate recordes mundiais em horas navegadas na web. Porém, no que se refere ao acesso à comunicação através da televisão e do uso do aparelho celular, nos últimos três anos, o aumento foi de 462%. Isso quer dizer que nossos jovens são "ligados".

É necessário, portanto, democratizar o uso do computador e da internet no nosso país. A inclusão digital é fundamental para o sucesso da nossa juventude.

Podemos constatar que existem fortes fatores que servem de entrave ao acesso dos nossos jovens aos benefícios sociais básicos e que influenciam diretamente no presente e na construção de um futuro melhor para a nossa juventude e em conseqüência para o nosso país.

Ações sistemáticas que reduzam as desigualdades sociais, diminuindo a violência e promovendo a melhor condição de vida são fundamentais para mudar a realidade do país. É preciso priorizar a educação de qualidade para todos e a inclusão digital, para preparar melhor os nossos jovens para o mundo competitivo em que vivemos. Oportunidade para os jovens é a garantia de um mundo melhor.

Uma política especial de geração de emprego e renda para a juventude promoverá a autonomia, elevará a auto-estima e dará condições para que os jovens possam interferir produtivamente na realidade atual e futura de nossa sociedade.

Fonte: Portal dos Democratas

Por: redação

Tags: Nilmar Ruiz, Opinião