Polí­tica

Foto: Clayton Cristus O deputado disse que quando foi prefeito também fazia muitas festas O deputado disse que quando foi prefeito também fazia muitas festas

O deputado estadual Paulo Roberto (DEM) fez uso da palavra nesta quarta-feira, 13, pela manhã para concordar com as críticas de Marcelo Lélis (PV) ao carnaval de Palmas em 2008. “O povo gosta é de pão e circo desde a era romana” disse o deputado. Minutos antes Lélis havia ocupado a tribuna para citar manchetes de reportagens de anos anteriores que exaltavam sucessos do carnaval ano após ano.

Lélis disse que participou do carnaval este ano na Graciosa e que se lembrou quando era presidente da Agência de Meio Ambiente e Turismo. “É uma reflexão que faço; o que o carnaval representa para a economia de uma cidade. Nos últimos quatro anos o carnaval vem se enfraquecendo na atual administração até culminar com o afastamento das empresas e esvaziamento dos hotéis”.

A fala do deputado do Partido Verde foi rebatida pela deputada estadual pelo (PT) Solange Duailibe que disse que “a gestão passada era uma gestão festeira, preocupava muito com festas e shows. A gestão atual alem do carnaval se preocupa com as questões ligadas à área social”. Solange ainda alfinetou dizendo que “no passado até para lançar maquete tinha festa” e completou dizendo que é contra a política do pão e circo.

O deputado Lélis ainda disse que vai encaminhar requerimento solicitando pesquisas sobre o carnaval 2008 na capital. “Se a prefeitura fez pesquisa, queremos saber qual foi a taxa de ocupação dos hotéis, número de empregos gerados e faturamento do comércio”, finalizou.

Respeito à oposição

Durante sua fala em que fez uso do tempo da liderança Lélis ainda mandou um recado para o governo. Disse que agora a oposição quer ser respeitada na casa. O deputado informou que fez um pedido ao presidente da CPI da Saúde, Sandoval Cardoso, para que este apresentasse o relatório. “Sei que para o relator produzir um relatório de uma Comissão que não existiu será uma tarefa árdua”, segundo o deputado, a Comissão foi prejudicada pelos freqüentes boicotes dos deputados governistas.

 

Umberto Salvador Coelho