Polí­tica

Foto: Divulgação

O presidente da Câmara Municipal Carlos Braga (PMDB) questionou a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) aprovada no final de maio, pela Câmara dos Deputados, que aumenta para 21 o número de vereadores de Palmas e reduz para 2% da receita líquida da Prefeitura o orçamento da Câmara Municipal.

Braga ressaltou que ficou surpreso com a votação da PEC e criticou matérias veiculadas na imprensa falando que os vereadores não queriam sua aprovação, porque a mesma mexeria em "seus bolsos". "Na Câmara não é lugar para ganhar dinheiro e nem enriquecer, mas, sim para trabalhar em prol da população. Somos a favor que aumente para 15 ou até 17 o número de parlamentar. O dinheiro não é dado a cada vereador, mas é aplicado de acordo com as necessidades da Casa. Hoje temos uma boa estrutura para receber os servidores e visitantes, num espaço com conforto e condições de trabalho, e, tudo isso custa dinheiro", frisou o presidente acrescentando que na Câmara antiga não tinha como atender bem a demanda.

O presidente disse que do jeito que a Câmara Federal está fazendo, a intenção é fechar as Câmaras Municipais, tendo em vista que na atual conjuntura a Casa não tem espaço para abrigar mais nove vereadores, caso a PEC seja aprovada. "Estarei indo a Brasília nesta quarta-feira, (04/06) para conversar com o presidente da Câmara Federal Garibaldi Alves para expor nossas condições, como também tentar saber como é que querem aumentam o número de vereadores e diminui a receita. Pois, dessa forma ficaremos refém do Poder Executivo, e o Congresso não pode esquecer que os vereadores vão atrás dos votos iguais aos outros candidatos", finalizou pedindo que a imprensa analisasse a PEC que está em tramitação no Congresso.

Os vereadores Wanderlei Barbosa (PSB), o vice-presidente da Casa Alberto Guimarães Gordo (PT), Evandro Gomes (PMDB), José Damaso (PDT) e o líder do governo na Câmara Rilton Faria (PT) apoiaram Braga sobre sua posição se colocando a disposição do presidente para acompanhá-lo nessa luta.

Barbosa destacou que esse assunto é de interesse de todas as Câmaras Municipais, e que ultimamente tais parlamentares têm sido perseguidos, como é o caso da infidelidade partidária que somente os vereadores estão sendo punidos.

Fonte: Dircom/ CM Palmas