Esporte

Foto: Umberto Salvador Coelho Revoltados, torcedores rasgaram faixas da torcida organizada Garra Tricolor Revoltados, torcedores rasgaram faixas da torcida organizada Garra Tricolor
  • Foto - Umberto Salvador Coelho
  • Foto - Umberto Salvador Coelho
  • Foto - Umberto Salvador Coelho
  • Foto - Umberto Salvador Coelho
  • Foto - Umberto Salvador Coelho
  • Torcida ostiliza os jogadores ao final da partida - Foto - Umberto Salvador Coelho
  • Foto - Umberto Salvador Coelho

Em uma partida em que o tricolor da capital precisava da vitória para passar para a próxima fase, apenas um time apareceu para jogar nesta tarde de domingo, 27, no estádio Nilton Santos - o Águia do Pará. No começo o Palmas até fez a torcida acreditar que a história poderia ser diferente, com a felicidade da classificação.

Logo aos 7 minutos da primeira etapa, o ala esquerdo do tricolor, Diney (6), em lance dentro da grande área e cara a cara com o goleiro Ângelo, do time paraense, encheu o pé em uma bola rebatida pela saga, forçando o arqueiro a salvar em importante defesa, jogando para escanteio.

Como no futebol quem não faz toma, o castigo veio na seqüência. Após a cobrança de escanteio o camisa 10 do Palmas, Arismar, foi tentar o drible deixando de passar a bola para o ala esquerda do Palmas que fazia a ultrapassagem e perdeu, armando o contra-ataque do Águia, que até aquele momento tinha as jogadas mais incisivas pela esquerda do seu ataque, explorando o espaço vazio deixado pelo volante de contenção do Palmas, Emerson (7), que falhava na cobertura do ala direito do tricolor - o time tocantinense entrou em campo armado com um 3-5-2 e o Águia 4-4-2. No lance não foi diferente, os paraenses exploraram o espaço vazio nas costas do volante de contenção do Palmas, a saga não chegou a tempo e o camisa 11 Aleilson, teve tempo para pensar e colocar no canto da meta do goleiro André, fazendo 1 a 0 aos 8 minutos.

A tarde não era mesmo para o Arara Azul tocantinense. Aos 19 minutos, novamente ele, Diney, pega rebote de fora da área e com sua canhotinha manda um pombo sem asas que passa raspando o travessão do arqueiro paraense e logo a seguir o Águia dá o troco aos 20 minutos, fazendo o segundo gol. O camisa 10, Ciro, explorando novamente as costas de Emerson, tem tempo para pensar e colocar com categoria de fora da área, uma bola rasa no canto de André que nada pôde fazer.

Com o segundo gol, o time da capital sentiu e ficou ainda mais perdido em campo. O meio de campo do Águia dominou o do tricolor e passou a atacar facilmente de ambos os lados do ataque. O jogo entrou em ritmo de treino e os paraenses deitavam e rolavam tocando a bola. O jogador do Palmas que era mais ativo e consciente neste momento era o bom zagueiro Gleisson. Com bom sentido de cobertura e tempo de bola, fazia o que podia lá atrás e ainda tentava empurrar o time para o ataque indo ao apoio.

Vendo que o time estava perdido em campo, o técnico Tomaz Abreu resolveu mexer e aos 23 minutos sacou Arismar da partida para a entrada do ala esquerdo, Fabinho (14). Com isto Diney assumiu a armação de jogadas no meio, no lugar de Arismar. A alteração, entretanto, apesar da razoável habilidade e esforço de Diney, revelou-se inócua. Os paraenses continuavam martelando e por volta dos 31 minutos, em rápido contra-ataque, quase fizeram o terceiro gol.

Tomaz Abreu, então, resolveu mexer mais uma vez na equipe e colocou o rápido Thiago Miracema (18) no lugar de Emerson (7). O time foi para o sacrifício com três atacantes e não surtiu efeito. O Águia explorando conscientemente os contra-ataques teve sucessivas chances até voltar a marcar já nos acréscimos, aos 46 minutos. Ciro entrou na área pela direita, deu um corte seco para dentro no marcador do Palmas e bateu de esquerda no contrapé de André que novamente nada pôde fazer diante da sutileza do meia-atacante que fez o terceiro gol.

Segundo Tempo

Na volta para o segundo tempo o técnico Tomaz queimou a regra três, colocando Ilan (17) no lugar de Maciel (11). O time até tentou esboçar uma reação e aos 3 minutos teve um pênalti marcado a seu favor, mas Everton (8) bateu e isolou a bola.

No segundo tempo o jogador mais lúcido do Palmas continuava a ser o zagueiro Gleisson, da parte dos paraenses os jogadores apenas administravam a partida. Por volta dos 20 minutos, o técnico João Galvão, vendo que seu time estava acomodado, resolveu fazer logo uma mexida dupla tirando Felipe Mamão (9), para a entrada do camisa 17, Pery e Marconde (6) para a entrada do camisa 15 João Pedro.

A partir dos 34 minutos o técnico do Águia queimou também a regra três colocando Léo rosa (13) no lugar de Gustavo (2) e o jogo foi em banho Maria até o final sem muitas emoções, encerrando com o 3 a 0 da primeira etapa.

Ficha técnica

Palmas: 1 - André, 2 - Rafael Lima, 3 - Gleisson, 4 - Macula, 5 - Preto Marabá, 6 - Diney, 7 Emerson, 8 - Everton, 9 - Jean Macapá, 10 - Arismar, 11 - Maciel

Técnico: Tomaz Abreu

Cartões Amarelos: Emerson, Macula, Jean Macapá

Águia: 1 - Ângelo, 2 - Gustavo, 3 - Edkleber, 4 - Adriano, 5 - Lê, 6 - Marconde, 7 - Analdo, 8 - Soares, 9 - Felipe Mamão, 10 - Ciro, 11 - Aleilson

Técnico: João Galvão

Cartões amarelos: Ciro, Adriano

 

Umberto Salvador Coelho