Polí­tica

O resultado da reunião da executiva estadual do PMDB que se encontrou neste domingo, 03, em Palmas, para definir sua posição quanto à resolução aprovada na quinta-feira pelo diretório metropolitano que liberou os membros da sigla na capital para apoiar qualquer candidato da base aliada ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi mais um duro golpe nas pretensões da candidata do DEM, Nilmar Ruiz, de ter o partido integralmente ao seu lado.

Na reunião que terminou por volta das 14 horas, ficou definido que o documento do diretório metropolitano será acatado, e mais, o diretório estadual resolveu ampliar a decisão tomada em Palmas para o resto do Estado. A partir de agora os filiados ao PMDB poderão subir no palanque de quem quiser, desde que seja da base do presidente Lula. A executiva estadual também arquivou o caso de Ananás, norte do Estado, onde o governador foi acusado por membros do PMDB local de subir no palanque do candidato adversário do PPS - os peemedebistas fizeram fotos do governador no evento.

A reunião deste domingo foi tensa e o prefeito em exercício de Palmas, Derval de Paiva, voltou a reafirmar suas palavras, proferidas em discurso durante a inauguração do comitê da Força do Povo, há dois dias, na sexta-feira, quando disse que era preciso separar “os que são peemedebistas daqueles que são usuários e traficantes do nosso partido”. Derval também disse na oportunidade, em tom de pilhéria, se referindo à Aliança da Vitória e à parte do PMDB que está com Nilmar, “não sei dizer se é uma surra, se é uma tunda, se é uma sova, mas que eles vão levar uma de deixar saudades”, ironizou.

Na sexta-feira subiram no palanque de Raul Filho (PT), alem de Derval, o deputado estadual Eli Borges, presidente do diretório metropolitano; Maria Helena Brito Miranda, presidente estadual do PMDB mulher e Secretária Municipal de Ação Social e Joel Borges, Secretário Municipal de Desenvolvimento Econômico de Palmas. Derval e Eli fizeram discursos inflamados. Eli chamou a atenção “daqueles que querem implantar a ditadura partidária” e disse que vive a “democracia plena”.

Na reunião deste domingo, que foi fechada à imprensa, segundo um peemedebista do diretório metropolitano que prefere não ter o nome citado, Derval foi confrontado por suas declarações por membros do partido como o ex-deputado estadual José Augusto e o Secretário de Governo do Estado, Manuel Bueno. O deputado estadual, Eli Borges, saiu em sua defesa e Derval disse aqueles que o estavam confrontando eram "amadores que estavam fazendo estágio no partido".

A reunião foi presidida pelo presidente do partido no Tocantins, deputado federal Osvaldo Reis (PMDB).

 

Umberto Salvador Coelho