Polí­tica

Foto: Divulgação Para Bucar a função do policial não é agredir mas dar segurança ao cidadão - Foto - Koró Rocha Para Bucar a função do policial não é agredir mas dar segurança ao cidadão - Foto - Koró Rocha

A temperatura dos embates políticos no parlamento tocantinense começou a subir nesta terça-feira, 03. Stalin Bucar (PSDB) subiu à tribuna para criticar aqueles parlamentares que lá sobem, para atacar o ex-governador Siqueira Campos (PSDB) com o objetivo de agradar o atual governo. Segundo Stalin se não fosse o pulso forte do ex-governador não teríamos a capital Palmas onde hoje se localiza, “porque naquela época o que existia aqui era só mocó e onça”, discursou.

O objetivo de Stalin era se contrapor ao discurso de Toinho Andrade (DEM) que no domingo, 1º de fevereiro, durante a sessão especial de posse da Mesa Diretora para o 2° biênio da 6ª Legislatura, criticou o ex-governador adjetivando-o como autoritário e a seu governo como um sistema retrógrado de ditadura. O deputado pediu para que Toinho esquecesse as coisas ruins dos governos passados e olhasse para as coisas boas que foram feitas.

Em aparte o deputado Paulo Roberto (DEM) afirmou que Toinho não quis macular a imagem do ex-governador e disse que Toinho apenas fez um relato e que o mesmo Stalin já havia subido à tribuna para criticar o ex-governador.

Stalin rebateu dizendo: “vossa excelência não fala a verdade, vossa excelência mente” e completou dizendo que Paulo Roberto poderia solicitar na taquigrafia da Casa os arquivos dos seus pronunciamentos.

Stalin ainda disse que Paulo Roberto também foi um que muitas vezes elogiou o ex-governador e em relação às críticas de Toinho, disse que esperava que a mesma atitude não acontecesse quando o governador Marcelo Miranda (PMDB) deixasse o cargo “porque isto é de uma grande deselegância”, disse.

Paulo Roberto disse que vai solicitar os registros dos pronunciamentos, e, sobre ter elogiado Siqueira Campos, afirmou: “quando um cidadão está no governo você elogia porque ele é o parâmetro”, ele lembrou que este parâmetro hoje é o governador Marcelo Miranda. Paulo Roberto ainda afirmou que depois da análise dos registros dos pronunciamentos, se estiver mentindo vai pedir desculpas, mas que se for o contrário quer que Stalin vá à tribuna se desculpar. Como se vê o desafio foi lançado, resta ver o resultado.

Toinho Rebate

Toinho rebateu Stalin ao fim do seu pronunciamento dizendo “não foi nosso pensamento diminuir o ex-governador Siqueira Campos. Foi no sentido de mostrar a diferença do governo anterior para o atual que implantou mais democracia, não é vossa excelência que vai nos inibir aqui nesta Casa, espero que vossa excelência respeite o meu pensamento, iremos ter nossas divergências, mais no campo das idéias”, arrematou.

Debate no campo das idéias

O deputado Marcelo Lelis (PV) lembrou que a Casa é de divergência e debate de idéias, mas disse que concordava com Stalin, porque o momento da posse não era apropriado para as críticas, pois a palavra estava restrita e os que tinham pontos de vista diferentes não puderam defender. O embate entre os deputados se encerrou com Stalin afirmando que pode ter certeza que nunca faltará com o respeito à Toinho e que os debates serão no campos das idéias.

 

(Umberto Salvador Coelho)