Opinião

As “pequenas igrejas grandes negócios”, crescem de forma surpreendente como mercado espiritual, integrando mente e espírito na competição pelos faturamentos dos dízimos. Dessa forma, sonhos e sentimentos se transformam em mercadorias com a espiritualidade servindo de um bom negócio, usando até mesmo o marketing para a propagação dos serviços de fé com objetivo de atrair a maioria possível de fiéis.

Em algumas dessas igrejas, esse tipo de comércio não é visto como mercado, e muito menos considerado um pecado, acreditam que seja uma oportunidade de prosperidade enviada por Deus. Mas, a gestão das igrejas baseia-se nos modelos de administração, a denominação na atualidade tem um dono, um empresário, que geralmente é a hierarquia maior, considerando o grau de intimidade com Deus. Essas igrejas, idealistas de um mercado global capitalista, aderem à concorrência entre religiões para conquistar fiéis e adeptos, e até oferecem bens e serviços do tipo: salvação, felicidade, cura espiritual de doenças, gerando um público de consumidores da fé.

Alguns empresários religiosos apostam na inovação para convencer os membros da obrigação de investir na Obra de Deus, usando até campanhas do tipo “Sou Dizimista”. Grandes shows religiosos atraem números surpreendentes de fiéis que acabam esquecendo-se de Deus e prestando adoração a cantores e pregadores famosos e estrelistas, copiando a receita dos eventos seculares. Padre Marcelo Rossi movimenta essa nova onda financeira espiritual, seguido pela sensação do mercado cultural religioso, padre Fábio de Mello, com atrativo a mais, o público alvo feminino que adora o padre pela beleza.

Com a finalidade de divulgar e movimentar o mercado espiritual as Igrejas descobriram na mídia um bom investimento, basta observar o Grupo Record que ameaça a toda poderosa Rede Globo na disputa pela audiência. Pequenas emissoras já estão operando na TV Brasileira, é o caso da TV Gênesis que tem como proprietário o deputado Robson Rodovalho, líder desse canal comercial que serve de agitação para pastores produzirem seus programas e levantarem bandeira de suas igrejas. Quem não aderir, fica pra trás!

Localizada na Avenida LO-03 em Palmas-TO, certa igreja questionada por ter uma obra irregular com o Plano Diretor da capital, conta com a implantação de uma escola para crianças, mas não pensem que é uma ação para beneficiar a sociedade ou pelo menos os membros que contribuem para o crescimento da denominação. Quem estiver interessado na matrícula de um filho, já pode ir pensando numa boa oferta, pois alguns gananciosos pastores esquecem Deus e pensam somente em projetos que geram lucros.

É Preciso refletir e cobrar os líderes religiosos. Os princípios de Deus não podem ficar em segundo plano, substituídos pelo mercado espiritual. Alguns representantes de Deus usam como blindagem o não questionamento por parte dos fiéis e membros, com a desculpa de que: “Se estiverem errados irão prestar contas com Deus”, enquanto estão adquirindo carros importados, luxuosas mansões e enriquecimento desnecessário para líderes que pregam o desapego com as coisas desse mundo.

(Walquerley Ribeiro)

 

Por: Walquerley Ribeiro

Tags: Avenida LO-03, Igrejas, Opinião, Religião