Polí­tica

Foto: Gleydson Medeiros

Na sessão desta terça-feira, 26, na Câmara Municipal de Palmas o vereador petista, Bismarque do Movimento, atual líder da bancada dos partidos da administração Raul Filho (PT), afirmou que não vai ceder a pressões e que não tem medo de críticas. O vereador estaria sendo criticado por sua postura na direção contrária à vontade da bancada governista na Casa.

Bismarque afirmou que vem sendo criticado por “gente do PT que entrou ontem no partido”. Ele disse que o papel do vereador é de fiscalizar e enquanto for representante dos movimentos, na Câmara, vai cumprir seu compromisso com a população. Segundo ele os críticos estão dizendo que vão expulsá-lo do partido e pediu respeito, “me filiei no partido com 17 anos”.

Em aparte o vereador Valdemar Junior (DEM) disse que sempre que Bismarque levanta uma bandeira da população seus companheiros de bloco o deixam na “chapada”. Valdemar disse que não iria convidar Bismarque para se filiar ao DEM porque as ideologias são diferentes, mas que poderia sempre contar com ele e outros membros da oposição quando estiver defendendo o povo. Segundo o oposicionista, mesmo não sendo uma mãe Diná, tem a premonição que em breve Bismarque estará deixando a liderança do bloco do prefeito.

Bismarque descordou do colega e pontuou que o prefeito Raul Filho compreende a “dialética” na construção de um processo político democrático. Segundo ele, Raul nunca lhe fez uma ligação para cobrar nada. “O prefeito entende até porque se não, não seria do PT”. Bismarque afirmou que o PT é assim, se discute democraticamente.

Comportamento de Oposição

O vereador oposicionista, Aurismar Cavalcante (PP), disse que o comportamento de Bismarque tem sido de oposição. Já o governista Hermes Damaso criticou abertamente da tribuna, o líder. Dizendo estar falando apenas em seu nome e não do grupo, Damaso disse: “para ser líder tem que ter grandeza de chamar o liderados para ouvir e colocar as posições da bancada”. Segundo Damaso, Bismarque nunca o chamou para saber suas posições.

Bismarque disse ao final da discussão que se os colegas entenderem que ele deve deixar a liderança da bancada ele assim o fará.

Discurso inflamado

O pronunciamento de Bismarque na tribuna, nesta terça-feira, foi inflamado. Ele disse que não é vereador eternamente e que não depende do salário da Casa para viver se daqui a quatro anos não for eleito. Bismarque ainda disse que aceita críticas, mas não aceita ameaças. “Sou um maranhense, já fui servente de pedreiro e vendedor de picolé que chegou onde chegou sem dinheiro e que vai continuar defendendo o povo”, disse.

(Umberto Salvador coelho)