Geral

Foto: J. Freitas

O senador Leomar Quintanilha (PMDB-TO) apelou ao Ministério da Educação (MEC) pela solução dos problemas relacionados à Fundação Universidade do Tocantins (Unitins) de forma a não prejudicar os alunos matriculados na instituição. O apelo foi feito nesta quarta-feira, 16, em audiência pública na qual o senador representou a universidade e que foi realizada na Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE). A audiência discutiu o problema enfrentado pelos estudantes matriculados nos cursos à distância oferecidos pela instituição que foi descredenciada pelo MEC em agosto deste ano.

Quintanilha, que tomará posse como secretário de Educação e Cultura de Tocantins na próxima sexta-feira, 18, informou que a instituição já atendeu a mais de 60% das exigências do MEC e, em sua avaliação, o fechamento da instituição não é a medida mais adequada. O governador do Estado, Carlos Henrique Gaguim (PMDB), determinou ao reitor da Unitins, Osmar Nina Garcia, que regularizasse os convênios, o que foi feito no dia 14.

"Se a Unitins está enfrentando problemas no seu funcionamento, é imperativo que nós continuemos à exaustão a busca do denominador comum, a busca da identificação de qual será a forma adequada e ideal para que ela continue funcionando. E é esse o apelo que eu faço ao Ministério da Educação", disse Leomar Quintanilha.

A vice-presidente da Frente Parlamentar de Apoio à Educação a Distância da Câmara dos Deputados, deputada Nilmar Ruiz (DEM-TO), explicou que a Unitins voltou à condição de contratante, restabeleceu seu papel de instituição de ensino com controle acadêmico e pedagógico, bem como vai alterar a redistribuição dos recursos oriundos do pagamento das matrículas e mensalidades.

Autonomia universitária, reestruturação do projeto de educação a distância (EAD) e inserção da instituição no orçamento do Estado são as principais reivindicações do Movimento Pró-Unitins, composto por docentes, servidores e outros colaboradores, informou o representante do movimento, professor Joran Oliveira Barros Júnior, convidado por Quintanilha a participar da reunião. Ele defendeu que professores e servidores possam se pronunciar quanto às decisões a serem tomadas pela universidade junto ao MEC e ressaltou que em nenhum momento o MEC criticou a qualidade profissional dos 700 servidores da instituição, que atualmente atende a 65 mil estudantes.

Fonte: Assessoria de Imprensa Leomar Quintanilha