Meio Ambiente

Foto: Divulgação

Este é o momento de eclosão dos ovos de tracajá, e para dar continuidade às atividades do Projeto Quelônios do Tocantins, que tem por finalidade monitorar e acompanhar as tartarugas-da-amazônia e tracajás nos rios do Estado, os técnicos do Naturatins – Instituto Natureza do Tocantins realizam neste mês, o monitoramento das covas e o manejo dos filhotes.

Os trabalhos estão sendo desenvolvidos em três bases de monitoramento localizadas nos municípios de Brejinho de Nazaré; Araguatins e Caseara (Parque Estadual do Cantão). Dentre os trabalhos, que iniciaram em julho, foram realizados pelos técnicos a limpeza da área de desova, localização e demarcação das covas e transferência das covas quando localizadas em áreas de risco. Outra ação também em andamento é a articulação com representantes municipais para apoio ao projeto.

Para este ano, a meta é monitorar e reintroduzir na natureza cerca de 45.800 filhotes, sendo 13 mil na região de Araguatins; 2.800 em Brejinho de Nazaré; 30 mil no Parque Estadual do Cantão, próximo a Caseara. Na base localizada entre os municípios de Araguacema e Santa Maria das Barreiras (PA) o projeto teve suas ações de monitoramento de covas suspensas.

Segundo o técnico operacional responsável pela base de Brejinho de Nazaré, Avolinto Spegiorin, neste ano a região contou com uma perda de cerca de 2.400 filhotes de tartaruga, com a invasão de 30 covas, sendo 24 por ação do homem e seis por predadores naturais. Uma das justificativas da perda é a visitação de turistas nas áreas de desova das tartarugas.

Quanto às solturas, as primeiras ações estão previstas para o início do mês de novembro, sendo no dia 14, no balneário dos Ipês em Brejinho de Nazaré, e 15 em Araguatins.

Em 14 anos, o projeto mostra resultados positivos, como o crescimento das populações de tracajás e tartarugas-da-amazônia, e conscientização das comunidades consideradas como predadoras dos quelônios. Até o ano passado, foram soltos mais de um milhão de filhotes.

A tartaruga-da-Amazônia e o tracajá são uns dos mais importantes quelônios que ocupam a extensa área da bacia Tocantins-Araguaia. Essas espécies, na década de 70 foram inclusas na lista do Ibama – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis de animais ameaçados a extinção. Preocupação que levou o Naturatins a criar, em 1995, o Projeto Quelônios do Tocantins, que tem por finalidade contribuir para o reequilíbrio e manutenção das espécies, além de conscientizar as comunidades ribeirinhas sobre a importância dos quelônios.

Fonte: Ascom Naturatins