Campo

Foto: Madson Maranhão

Um novo panorama no setor aquícola desponta no Tocantins. Com uma vocação natural, o Estado passa a ser referência em pesquisa e criação de peixes no país. Em 2010, os avanços na criação serão impulsionados com os incentivos em pesquisa e tecnologias de ponta. As atividades serão desenvolvidas em parceria com Seagro - Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, a Câmara Setorial da Pesca e o CNPASA - Centro Nacional de Pesquisa em Aquicultura e Sistemas Agrícolas, instalada no Tocantins, no final do ano passado.

A expectativa para os próximos anos é promissora, com a abrangência dos atuais projetos e criação de outros. Para impulsionar ainda mais o setor, serão utilizadas novas tecnologias para o crescimento da atividade no Tocantins. Entre os atuais projetos, destacam-se a criação da caranha e tambaqui em viveiros e tanques-rede, para a formação de duas linhagens.

Segundo o coordenador de Aquicultura da Seagro, Alexandre Godinho, a criação do pirarucu em tanques-rede é outra atividade em potencial. Essa espécie é considerada o bacalhau brasileiro. “A sua criação, ainda em fase experimental, tem demonstrado ser rentável na comercialização e na produtividade, com fácil adaptação no Tocantins”, destacou.

Repasse

Para continuar estimulando os piscicultores, a Secretaria de Agricultura pretende repassar aos produtores, em 2010, cerca de 2,2 milhões de larvas e alevinos de peixes. Os projetos se estendem, ainda, para organização da cadeia produtiva da piscicultura, por meio de pesquisas com diferentes níveis de proteínas e diagnósticos de campo. Outras ações são voltadas para análise de consumo e estímulo à criação.

Em 2009, foram produzidas 5,5 toneladas de pescado. A meta para 2010 é alcançar uma estimativa de 6,5 toneladas. O Estado possui aproximadamente mil piscicultores distribuídos em pelo menos 50 municípios. Hoje há dois frigoríficos de peixe em funcionamento, no município de Almas, na região sudeste, e outros quatro estão em construção, sendo dois em Porto Nacional, um em Palmas e outro em Aliança do Tocantins.

Segundo dados da OMS - Organização Mundial de Saúde, o ideal é consumir, anualmente, 12 quilos de peixes, mas no Brasil este índice é de 7 quilos. “Números que abrem uma grande oportunidade para o aumento da produção”, lembrou o coordenador de Aquicultura, Alexandre Godinho, acrescentando que o mercado para a piscicultura é promissor e a produção não é suficiente para atender a demanda.

Embrapa

A implantação da Embrapa no Tocantins traz aos produtores novas expectativas. Com a instalação da sede nacional em Palmas, o Estado passou a ser um polo de desenvolvimento para todo o Brasil, o que representa um crescimento científico e tecnológico da região, além do fortalecimento econômico.

 

Fonte: Secom