Geral

Foto: Pedro Henrique

Inaugurada em 2007, no Distrito Industrial de Paraíso do Tocantins, a Biotins Energia estima aumentar nos próximos anos para 50 mil hectares o plantio de pinhão manso (Jatropha curcas) no Tocantins. Atualmente, a área plantada com essa cultura para abastecimento da usina soma 9 mil hectares, com produção plena previstas para 2011.

Segundo o Gerente Agrícola da empresa, Newton Cesar Siqueira de Santana, desde 2006 que a empresa vem desenvolvendo um trabalho em parceira com três mil pequenos produtores, que fornecerão o pinhão manso para a Biotins. Newton Santana explica que a empresa fornece assessoria e assistência técnica para os agricultores desenvolverem o plantio em terras entre 20 e 80 hectares.

Por enquanto, o biodiesel produzido a partir do pinhão manso corresponde somente a 10% da produção da Biotins. Os outros 90% são extraído do óleo de soja. De acordo com Sebastião Belizário Júnior, diretor operacional, toda a produção da empresa é vendida em leilões para a Petrobrás.

Já Hugo Fabiano Dominiquini, gerente Industrial, explica que atualmente o Brasil produz de 3 a 4 bilhões de litros de biodiesel, e cerca de 5% desse produto tem de ser misturado ao etanol. Ele relata que o biodiesel fabricado pela Biotins é de alta perfomance e atende aos padrões brasileiro, europeu e americano.

Em janeiro deste ano a ANP - Agência Nacional do Petróleo - autorizou a ampliação da produção da Biotins dos atuais 27 m³/dia para 81 m³/dia. Com investimento inicial de R$ 7 milhões, a planta industrial da empresa foi importada da Áustria. A expectativa é que a Biotins aumente em cinco vezes sua capacidade instalada até 2011, quando as lavouras de pinhão manso estiveram em produção.

De acordo com Sebastião Belizário Júnior, o biodiesel hoje é uma das grandes promessas para o Brasil, tendo em vista a capacidade de produção do país. Ele avalia que os investimentos nessa área têm retorno econômico assegurado, pois os gastos para a produção do combustível são menores que os dos derivados de petróleo e a demanda de mercado é alta.

Fonte: Secom