Geral

Foto: Walter Gama

Em entrevista ao Conexão Tocantins, o presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de Palmas (SISEMP), Carlos Augusto Melo (Carlão) reforçou as graves denúncias feitas contra a prefeitura de Palmas. Em documento endereçado ao Procurador Antônio Luis Coelho, o Sisemp denuncia, entre outras irregularidades, nepotismo e uso ilegal de verba pública na contratação de funcionários pela prefeitura. Até o vaqueiro do prefeito Raul Filho está lotado na prefeitura, segundo o líder sindical.

De acordo com o documento apresentado pelo sindicato, existem hoje na prefeitura, entre comissionados e contratados, cerca de 2.400 servidores que, segundo Carlão, em sua maioria, receberiam sem estarem em exercício pleno de suas atividades. O presidente do sindicato ressalta que por causa deste grande número de não efetivos e fantasmas, a prefeitura “não tem dinheiro para dar aumento para o servidor”.

No documento enviado à Procuradoria Geral do Município consta uma listagem de 15 funcionários que estariam na folha de pagamento da prefeitura, porém não aparecem em seus gabinetes. Carlão afirma que esses nomes ocupam cargos de confiança na prefeitura, entre diretorias e gerências. Carlos Augusto Melo afirma ainda que a lista enviada à PGM foi apenas “uma parte que nós mostramos”. Dentre os listados no documento do Sisemp, estão nomes conhecidos como o do Padre Fábio Glêiser e de Wolfgang Teske, além de sobrenomes conhecidos, como o de Ana Rodrigues de Menezes Duailibe e Helena Maria Lima Lustosa.

Uma importante fonte de dentro do paço municipal já havia falado ao Conexão Tocantins sobre a situação que vem ocorrendo no executivo municipal. De acordo com essa pessoa, diretores da prefeitura foram rebaixados a gerentes para que indicados políticos assumissem as respectivas diretorias. Foi ainda informado por essa pessoa que os diretores nomeados não comparecem ao trabalho, ficando ao encargo dos antigos ocupantes daquelas cadeiras as decisões a serem tomadas nas diretorias.

Essas denúncias foram motivadas pelo movimento grevista que cobra da prefeitura, entre outras reivindicações, aumento salarial para os servidores municipais. Os trabalhadores da prefeitura estão paralisados desde a manhã desta terça-feira, 30.