Geral

Foto: Lia Mara

Durante a 2ª Reunião Bimestral dos Defensores Públicos do Tocantins, o governador Carlos Henrique Gaguim foi aplaudido de pé por dezenas de profissionais que estavam presentes no encontro de trabalho. O gesto foi motivado pela recente aprovação, na Assembleia Legislativa, de dois projetos de lei de autoria do Executivo Estadual que reestruturou a instituição e reconheceu a carreira de defensor, oferecendo melhorias para a categoria, como o aumento salarial. O evento aconteceu na tarde desta segunda-feira, 5, no auditório do Memorial Coluna Prestes, em Palmas. Também estiveram presentes o deputado estadual, Stalim Bucar; o prefeito de Miracema, Júnior Evagelista e a secretária extraordinária de Políticas para as Mulheres, Marizete Vasconcelos.

“Quero que em breve haja defensores em todas as cidades do Tocantins trabalhando na defesa dos mais pobres. Os benefícios que estamos conseguindo oferecer são frutos de um trabalho sério que nos permitiu economizar mais de R$ 280 milhões nos últimos meses”, destacou Carlos Henrique Gaguim. Atualmente, 95 defensores atuam nas 42 comarcas espalhadas por todo o Estado. Em 2009, cerca de 180 mil tocantinenses carentes foram beneficiados com os serviços da Defensoria.

A Defensora Geral, Estelamaris Postal, disse que desde a criação do Tocantins a categoria luta por um reconhecimento e no governo Gaguim foi identificada vontade política para os avanços necessários. “Hoje somos modelo para defensorias de todo o Brasil. Quem vai ganhar é o cidadão carente, alvo da preocupação do Governador”, concluiu Postal. A construção da sede definitiva da Defensoria Pública é mais uma conquista da categoria. O Governo do Estado está investindo R$ 13 milhões na obra, localizada na Capital.

Ainda na reunião, o governador recebeu um broche, símbolo dos defensores, em reconhecimento aos benefícios garantidos. O presidente do Sindicato dos Defensores Públicos do Tocantins, Murilo da Costa Machado, citou os vários motivos da alegria por parte da categoria. “Agora no Estado todas as carreiras jurídicas têm o mesmo tratamento. Isso nos traz mais dignidade e vontade de trabalhar em prol dos mais necessitados. Nossa carreira estava esquecida por muito tempo, mas nesse governo fomos lembrados”, afirmou Machado.

 

Fonte: Secom