Geral

Foto: Divulgação

Com o objetivo de manter e potencializar as atividades agropecuárias dos produtores inseridos no Programa de Apoio a Comunidade Lindeira e à Produção Familiar de Subsistência, desenvolvido pelo Consórcio Estreito Energia (Ceste), foi instalada mais uma Unidade Demonstrativa (UD), dessa vez no município maranhense de Carolina, com foco no cultivo e beneficiamento de frutas nativas do cerrado com a extração e comercialização da polpa.

A possibilidade de disseminar uma atividade de baixo custo, ambientalmente correta e com mercado garantido, foi o que motivou os técnicos do programa a instalar a UD na fazenda Canto Bom, Município de Carolina, de propriedade de Lurdes Vidal da Conceição, que já desenvolve artesanalmente a atividade.

“De imediato percebemos o grande potencial para a instalação dessa propriedade modelo. O processo de extração da polpa é simples e o mercado local é grande consumidor do produto”, disse Denis Cardoso, coordenador da assistência técnica lembrando que o objetivo, além de incentivar a produção, é oferecer alternativas que gerem renda aos produtores locais .

Durante o dia de campo realizado na fazenda Canto Bom, os produtores puderam aprender sobre as formas de plantio, cultivo, uso do solo, dentre outras. A idéia é fortalecer essa cadeia produtiva, principalmente do bacuri, fruta com maior abundância na região. Para isso, é necessário saber sobre tratos culturais, adubação orgânica e demais técnicas para aumentar e melhorar a produtividade.

O engenheiro agrônomo, Wando Cruz, do Instituto de Desenvolvimento Rural do Estado do Tocantins – Ruraltins, foi convidado para contribuir com sua experiência sobre sistemas agroflorestais. Ele falou sobre as vantagens do extrativismo para a natureza e como forma de renda. “Esse trabalho é de grande importância, pois se aplica num modelo de agricultura sustentável e ambientalmente correto”, disse explicando que não há desgaste de solo, mudança de culturas ou desmatamento, sendo o produtor estimulado ao aproveitamento das espécies nativas visando o incremento à renda familiar.

Foram convidados também a contribuir com o dia de campo, as associações agroextrativistas de pequenos produtores de Carolina: AAPPC e da Comunidade Solta, que falaram suas experiências com a instalação e manutenção de viveiro de mudas e extração de polpa de fruta.

Felizes com a orientação técnica e a possibilidade de terem sua atividade potencializada com a instalação da Unidade Demonstrativa em sua fazenda, Lourdes Vidal da Conceição fala do apoio recebido. “Não há palavras para agradecermos toda essa ajuda. O apoio que recebemos vai evitar o desperdício de frutas, aumentar nossa produção e melhorar nossa renda”, agradeceu dizendo que acredita em um bom incremento nas culturas do cajá, acerola, caju, murici, buriti e bacuri, que eles já produzem.

Unidades Demonstrativas

Propriedades modelos de disseminação de novas técnicas produtivas do Programa de Apoio à Comunidade Lindeira e à Produção Familiar de Subsistência, as Unidades Demonstrativas (UDs) serão implantadas nos municípios da área de abrangência da Usina Hidrelétrica Estreito, localizados nos Estados do Maranhão e Tocantins.

Em cada uma delas será possível aos produtores e criadores que aderiram ao programa acompanhar a evolução do trabalho orientado por técnicos e os resultados alcançados pelos produtores/criadores. Outras quatro UDs já foram instaladas nos municípios tocantinenses de Barra do Ouro (arroz e feijão), Goiatins (melancia), Filadélfia (galinha caipira) e Itapiratins (ovinocapinocultura).

Fonte: Assessoria de Imprensa/ UHE Estreito