Polí­tica

Foto: Divulgação

A 55 dias das eleições de outubro a mobilização em torno da candidatura da presidenciável Dilma Rousseff (PT) no Estado começa a tomar força.

Anunciado como coordenador geral da campanha da petista no Estado, o prefeito de Colinas do Tocantins, José Santana Neto (PT) ficará apenas à frente dos comitês do PT que funcionarão nos principais municípios levando o nome da ministra.

Na coordenação do escritório suprapartidário que será inaugurado ainda esta semana, estará o prefeito de Palmas, Raul Filho, como Santana confirmou ao Conexão Tocantins na tarde desta segunda-feira, 9.

“Estarei reunido com Raul nesta quarta para tratarmos desse assunto”, informou o prefeito. Raul na coordenação do escritório que aglutinará todas as forças partidárias que apoiam a petista, inclusive o PR, é uma indicação da instância nacional do partido.

O candidato ao Senado, Vicentinho Alves (PR) chegou a encaminhar ofício ao ministro Alexandre Padilha formalizando o pedido para que Raul esteja à frente do escritório.

Sendo assim, Santana e Raul vão dividir a coordenação da campanha da ministra nos principais municípios do Estado. “Estamos trabalhando nisso”, frisou.

A inauguração do escritório será realizado com presença do ministro Alexandre Padilha e outros membros da coordenação nacional. Em todas as pesquisas divulgadas até o momento, Dilma lidera a disputa presidencial no Tocantins.

Participação do PR

Indagado sobre como o PR, partido presidido pelo senador João Ribeiro no Estado, participará do evento com Dilma aqui no Estado em setembro, Santana afirmou que como um partido da base de apoio, a legenda será convidada para participar junto com os outros partidos do palanque do governador Carlos Henrique Gaguim (PMDB).

“Vamos chamar o PR, com certeza o partido será convidado para o evento”, disse. No entanto o senador João Ribeiro já afirmou ao Conexão Tocantins que o partido buscará uma programação separada com a ministra e com o presidente Lula, que também deverá vir para comício em Palmas em apoio à candidatura de Gaguim.

Restrições a Marcelo

Santana evitou falar sobre uma possível rejeição que teria com o ex-governador Marcelo Miranda (PMDB). Ele disse que gostaria de apoiar Ribeiro mas que seguirá o partido. “Posso até não gostar mas não vou prejudicar o partido, sou disciplinado”, disse na entrevista comentando sobre o apoio que dará á Marcelo.