Educação

Foto: Divulgação

Em entrevista ao Conexão Tocantins na manhã desta sexta-feira, 24 o presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de Palmas, Carlos Augusto (Carlão), informou que, depois da assembleia geral dos servidores municipais da educação, ficou definido que as negociações com a Secretaria Municipal da Educação continuam.

Na semana passada, os representantes do Sintet – Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado do Tocantins chegaram a ameaçar uma paralisação caso suas reivindicações não fossem atendidas. Na ocasião, o secretário Danilo de Melo havia apresentado dados plausíveis para não conceder os 32% de reajuste, pedidos pelos sindicalistas.

Contudo, Carlão informou que as negociações, mesmo que em ritmo lento, estão evoluindo. “A Secretaria começou a pagar as progressões atrasadas de 1992”, completou. O presidente do Sisemp admitiu que a Semed se encontra em dificuldades para adiantar as outras progressões atrasadas. “A minha proposta foi de adiantar (as progressões) até pelo menos o ano de 2000. Mas o secretário informou que não tinha dinheiro”, destacou.

Críticas ao Sintet

No ato da reunião com o secretário da educação, na semana passada, os servidores desta área foram representados pelo sindicato estadual da categoria, uma vez que não existe um órgão sindical específico no município. Carlos Augusto, no entanto questionou a participação do Sintet nas negociações e afirmou que a entrada do sindicato estadual foi devido ao processo eleitoral.

O caso é que o presidente licenciado do Sintet, José Roque (PT) é candidato ao cargo de deputado estadual nas eleições deste ano. De acordo com Carlão, durante as negociações antes do período eleitoral, o sindicato estadual ainda não havia participado das reuniões com a prefeitura de Palmas. “Eu atribuo isso á candidatura do José Roque. Eles estão fazendo isso para ver se conseguem fazer algum voto”, completou.

Carlão ainda ressaltou uma certa omissão do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Tocantins. “Eles passaram 15 anos dizendo que representavam dizendo que representam os professores, mas nunca fizeram nada”, informou.

O presidente afirmou que o Sisemp entrou com representação junto ao Ministério do Trabalho em Brasília para ser o único a representar os servidores de Palmas. “Estamos discutindo isso na justiça, em Brasília. Para ver quem representa quem”, afirmou.