Educação

O Tribunal de Justiça do Tocantins (TJ-TO) declarou, na noite da última segunda-feira, 04, a ilegalidade da greve dos professores e servidores da educação de Palmas, e determinou o retorno imediato dos grevistas ao trabalho. A decisão é do desembargador Carlos Souza, que estipulou ainda multa diária de R$ 30 mil, em caso de descumprimento por parte do Sindicato dos Trabalhadores na Educação do Estado do Tocantins (Sintet).

O desembargador argumentou no julgamento do Agravo de Instrumento interposto pela Prefeitura de Palmas, o Executivo Municipal não está se “esquivando ao diálogo para solucionar o impasse”, assim como “os servidores não estão a reclamar direitos líquidos e certos por ventura inobservados pelo município”, motivo pelo qual a greve foi considerada ilegal.

O secretário Municipal de Educação, Danilo Melo, afirma que a Prefeitura continuará aberta às negociações, sendo que os professores deverão organizar a reposição dos dias de aula que foram perdidos por conta da greve, de forma que os estudantes não sejam prejudicados. “Temos realizado ações contínuas para a valorização da categoria e continuaremos a trabalhar para que Palmas ofereça o melhor na educação municipal”, afirmou.

O secretário ressaltou ainda que as escolas municipais terão aulas normais, nesta quarta-feira, 06.

Fonte: Ascop