Saúde

Foto: Waquerlei Ribeiro

“Manchas dormentes na pele podem ser hanseníase. Procure a unidade de saúde mais próxima!” Com esse alerta, a Secretaria Municipal de Saúde (Semus) promove uma série de atividades educativas sobre a doença, para os pais de alunos e para a comunidade.

As atividades iniciam nesta terça-feira, 26, às 8h, no auditório da Escola de Tempo Integral Padre Josimo. Segundo o secretário de Saúde, Samuel Bonilha, o objetivo da ação é sensibilizar a população sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce da hanseníase, além de informar que a doença tem cura.

Já no período da tarde, a partir das 14h, as atividades serão realizadas no auditório da Escola de Tempo Integral Vinícius de Moraes, na Quadra 706 Sul, e no auditório da Escola de Tempo Integral Eurídice de Melo, no Jardim Aureny III.

Encontrar o paciente

"Para eliminarmos de vez a hanseníase em Palmas é necessário que identifiquemos os pacientes para podermos tratá-los, pois a doença tem cura, e oferecemos tratamento gratuito e especializado em todas as nossas unidades de saúde da Capital" - explica o secretário. Bonilha acrescenta ainda que "o paciente com hanseníase pode e deve levar uma vida normal, pois, a partir do momento que inicia o tratamento, ele deixa de transmitir a doença".

Estatísticas

Em Palmas, em 2008, foram registrados 212 novos casos de hanseníase e, em 2009, 173 novos casos. De acordo com Elzirene Souza Dias Rocha, responsável técnica pela hanseníase, profissionais de saúde foram capacitados para identificar e tratar de forma mais rápida a doença na população. "O homem é considerado a única fonte de infecção da hanseníase. Ao ser identificado o portador da doença, iniciamos o tratamento imediatamente, impedindo o contágio para outras pessoas. O diagnóstico precoce evita também sequelas e deformidades no corpo, " enfatiza Elzirene.

A doença

A hanseníase é uma doença infecciosa, causada pelo bacilo de Hansen, que atinge pele e nervos dos braços, mãos, pernas, pés, rosto, orelhas, olhos e nariz. Uma doença silenciosa, cuja detecção pode levar de dois a sete anos. Caso não seja tratada, a hanseníase pode provocar deformidades físicas. A transmissão ocorre pelo contato prolongado com um doente que não esteja em tratamento.

Fonte: Assessoria de Imprensa/ Semus