Polí­tica

Foto: Dicom/AL

Em entrevista concedida logo após a suspensão da sessão ordinária da Assembleia Legislativa na manhã desta treça-feira, 26, o deputado Raimundo Moreira (PSDB) informou que não descarta a possibilidade de se renegociar a redução dos percentuais propostos para o reajuste orçamentário da LDO 2011.

O deputado afirmou que o Estado não teria condições de bancar o aumento proposto pela Lei de Diretrizes Orçamentárias do ano que vem. Segundo o deputado, o orçamento anual do Tocantins já está estourado comas atuais contas. “A questão é de onde vai sári esse dinheiro. Da forma que está (o orçamento), o Estado já fica R$ 600 milhões no vermelho”, completou.

O deputado informou que a bancada oposicionista está disposta a negociar, mas que acha muito difícil que os deputados da futura base de governo recuem em sua proposta de reduzir o repasse. Moreira informou que esta proposta seria em benefício do Executivo estadual. “Quem faz o Estado movimentar é o Executivo, com educação, saúde, segurança pública”, completou.

Marcelo Lelis

Outro deputado de oposição a questionar os valores propostos na LDO 2011 foi Marcelo Lelis (PV). O deputado, em entrevista durante a paralisação da sessão nesta manhã, informou que este aumento orçamentário para os poderes, prejudicaria o funcionamento do Estado. “Se a LDO passar da maneira como está, teremos um acréscimo de 12% no total dos gastos do Estado”, afirmou.

O deputado informou que não descarta a possibilidade de renegociar os valores propostos pela bancada oposicionista, mas que é necessário se ter responsabilidade ao tratar das verbas públicas. “Temos que ter responsabilidade e o entendimento sobre os números do orçamento do Estado”.

O deputado afirmou que pretende apresentar os números do estado durante a reunião com os representantes do judiciário na presidência da Casa. De acordo com o deputado, a bancada da oposição pretende confrontar os números do Estado com os apresentados pelo judiciário, para se chegar a um consenso.

O deputado informou ainda que os cortes atingem inclusive o orçamento da própria Assembleia Legislativa. “Nós estamos cortando da nossa carne também”, completou.

Entenda

De acordo com a proposta da bancada da oposição, os valores propostos pelo governo do Estado para o aumento no orçamento dos órgãos judiciários e do Legislativo sofrem uma forte baixa. A Defensoria Pública, por exemplo, teria seu aumento reduzido de 2% do total do orçamento do Estado para apenas 0,85% do todo. Em nota, a Defensoria já se posicionou contrariamente à redução.