Estado

Foto: Divulgação

“A Natureza também tem sua Economia e ela é mais importante que a do homem”. A frase foi proferida por Nicholas Robinson, professor da Pace University, EUA, durante o primeiro painel do I Simpósio Internacional de Gestão Ambiental e Controle de Contas Públicas na manhã desta quarta, 17, em Manaus.

O debate, coordenado pelo presidente do TCE/TO e do IRB, conselheiro Severiano Costandrade, teve como tema “Grandes Questões Ambientais da Atualidade”. O evento reúne cerca de 800 representes dos Tribunais de Contas do Brasil e do exterior com especialistas para discutir o meio ambiente. O encontro segue até 19 de novembro.

Palestras

A primeira palestra do dia foi do professor do Departamento de História da Universidade de Georgetown (EUA), John Mcneill. Por meio de um panorama histórico, ele falou sobre as consequências ambientais da evolução industrial, agrícola e bélica no século XX.

Mcneill chamou a atenção para o sistema energético. “O volume usado na indústria moderna cresceu exponencialmente no meio do século 20. E o Brasil que tem seu sistema baseado nas usinas hidroelétricas pode fazer uma nova história neste século”, disse.

Já o professor Nicholas Robinson salientou os prejuízos causados pelos impactos ambientais. “A natureza também tem sua Economia e ela é mais importante que a do homem. Nós tiramos dela sem pagar nem dar nada em troca. Isso nós poderíamos chamar de roubo. É como roubar dinheiro do Estado. Deixamos mais pobre as gerações futuras”, disse.

Para Robinson, os Tribunais de Contas são importantes para mediar o tratamento desses problemas junto aos Governos. “Muitos países já contam com Tribunais Ambientais. Eles fazem com que sejam cumpridas as leis que protegem o meio ambiente. Isso me parece o mesmo que os Tribunais de Contas estão tentando fazer aqui. Eu acho que agora vocês internacionalmente já fazem parte dessa nova realidade e por isso eu agradeço muito”.

Fonte: Assessoria de Imprensa/ TCE