Opinião

Foto: Divulgação

Certos objetos, costumes e sentimentos, temos como insubstituíveis em nosso viver, com isso, o homem impõe limites nos seus conhecimentos, somos dependentes de tudo o que nós mesmos fizemos. O conceito de um belo corpo, um simples beijo, dinheiro, remédios, empregos. O mundo que é tido como moderno, trouxe junto com ele o progresso, e o pressentimento de que é impossível viver sem certos objetos, inventos ou códigos pré-definidos.

Estipulou-se que tudo tem o seu preço, que devemos ter e usufruir do que existe, e o pior, que devemos obedecer um ou outro estilo, como se dependêssemos cruelmente do que nos é imposto e tido como certo. Escrever bem por exemplo, tem que obedecer com rigor os princípios cultos, ou o uso correto dos pontos, do emprego dos verbos, o texto tem que ser conciso, sem erros e sobretudo com o bom uso de todos os símbolos que existem em nosso português.

Neste último século, o homem teve invenções incríveis, porém, é preciso descobrir que: inventos, objetos, leis ou símbolos, nem sempre devem ser tidos como de preço superior ou pelo menos perto dos princípios que os homens possuem. Vocês entendem? Somos superiores sim, sem restrições, o homem é bem melhor que leis, decretos, símbolos... Somos independentes! Confie.

Poder viver sem depender de certos objetos ou princípios, é vencer um pouco o medo de insistir em seus direitos e sobretudo, de ser livre e independente sem que ninguém te obrigue, regule ou viole o seus desejos de ser feliz.

Se existe um objeto, símbolo, leis ou sentimentos que possuem um preço sem precedentes, é melhor que pensemos direito, no intuito de rever certos conceitos, pois, é bom que se estipule um limite de custo ou gosto nestes objetos. Nenhum homem pode viver dependente ou sofrendo com o que ele mesmo criou, usufruir é direito de todos, porém sem ter que depender.

Tudo o que existe, em tese, é em benefício de nós mesmos, contudo, nos envolvemos em erros irreversíveis, porque um simples objeto, um monte de concreto, um terreno próprio, um pouco de dinheiro ou o sucesso, é sempre o que perseguimos, e é por isso que somos infelizes e dependentes.

Encontre meios de fugir do que lhe é imposto, sempre procure o que é melhor e em nenhum momento ou hipótese fique dizendo que um ou outro objeto, símbolo ou sentimento, tornou-se insubstituível, ou que simplesmente é impossível viver sem ele.

Este texto pode ter pouco sentido no início de seu conteúdo, pode ter um efeito pequeno em quem lê, pode ser tolo e sem interesse, porém, se você tiver tempo e quiser ler de novo, observe que ele é muito independente, pois, foi escrito sem recorrer ou depender de um símbolo evidente e em uso no mundo inteiro, este símbolo é o começo de tudo, se você desconhece, lembre-se que depois dele vem o B,C, D, E,F,G, H... lembrou? Pensou que ele é insubstituível?... símbolo é simplesmente símbolo, leis, objetos, dinheiro... tudo foi o homem que criou, quem depende de quem?... somos livres! Confie! 

*Idglan Maia (Jornalista)

Por: Idglan Maia

Tags: Idglan Maia, Símbolos