Polí­tica

Foto: Divulgação

Em entrevista concedida antes do início da sessão ordinária da manhã desta terça-feira, 7, o deputado Cacildo Vasconcelos (PP) afirmou que é contra as alterações propostas para o regimento interno da Casa de Leis.

De acordo com o deputado, ele assinou a resolução antes de ler seu conteúdo, o que gerou o mal-entendido ao aprovar o documento. “Para assinar a resolução, não precisa ler seu conteúdo. Depois que eu assinei que eu a li e não concordo com as alterações”, completou.

Vasconcelos afirma que são vários pontos de desacordo com a resolução apresentada para apreciação e votação pelos parlamentares. De acordo com ele, no entanto, são dois os pontos principais que pretende questionar. “É a votação aberta e a alteração no prazo de pedido de vista”, informou sobre os artigos que mexem na forma de votação para presidente da Casa. Esta alteração torna a votação aberta, ao contrário do que acontece na atualidade.

Cacildo, que está no final de seu 4º mandato, afirmou ainda que não vota pela intempestividade da matéria. De acordo com ele,”são 16 anos de Assembleia. Isso seria cuspir no prato que eu comi”.

César Halum discorda

Já o deputado César Halum (PPS) afirmou que ainda não possui um posicionamento definido sobre as alterações propostas para o regimento interno da Assembleia Legislativa. De acordo com o deputado, ele ainda pretende se interar melhor sobre a matéria antes de se posicionar.

No entanto, Halum antecipou que é a favor da alteração do formato de votação para presidente da Casa. “Eu acho que o voto aberto, é um clamor da população. A sociedade quer saber em que os deputados estão votando”, completou.

Sobre a alteração no prazo de pedido de vistas em projetos, o deputado afirmou que ainda pode-se chegar a um consenso. “Acho que 4 horas é pouco, mas 72 horas, talvez seja demais”, completou.

A expectativa é que a resolução que altera o regimento interno da Assembleia Legislativa seja votada ainda na sessão desta terça.