Polí­tica

Foto: Divulgação

O único vereador do PR na Câmara de Palmas, Lúcio Campelo, foi à tribuna na manhã desta quarta-feira, 8, quando fez discurso polêmico em torno da mobilização por parte de 25 entidades de movimentos sociais que estão pedindo agilidade no Supremo Tribunal Federal (STF) para que um inquérito envolvendo o senador João Ribeiro (PR) seja julgado.

“O processo contra ele já foi julgado”, defendeu o vereador que mesmo sem citar o nome teceu várias críticas ao petista Paulo Mourão que concorreu com Ribeiro ao Senado. Segundo o vereador, Mourão estaria “trabalhando embaixo dos panos” para prejudicar Ribeiro.

Campelo disse que há uma “figurinha de bastidores” atuando contra o senador. “Fica trabalhando nos bastidores porque não mostram a cara”, disse. “Estão querendo criar situação constrangedora contra imagem do senador João Ribeiro”, frisou o vereador.

O vereador afirmou ainda que Ribeiro é inocente das acusações de trabalho escravo. “Não há nada nesse País hoje contra a pessoa do senador João Ribeiro”, frisou.

“Isso é coisa de presidente de quarteirão que quer ser senador”, salientou.

Para o vereador os movimentos podem estar sendo usados em prol de interesses para tentar tirar o mandado de Ribeiro, pois sendo assim Mourão assumiria a vaga. “ Estão utilizando as pessoas que não tem maldade”, disse ao repudiar a iniciativa contra o senador. “Palmas e o Tocantins precisa muito do senador João Ribeiro”, afirmou.

Processo

O inquérito contra o senador corre no STF porque o mesmo possui foro privilegiado. Caso a corte do Supremo acate a denúncia contra João Ribeiro, então, o mesmo se transformará em processo judicial e o senador poderá ser processado, correndo o risco, caso condenado, de ser enquadrado na Lei Ficha Limpa.

Atualizada às 13h 37